Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    121.924,75
    +43,93 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.301,08
    +81,82 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,26
    +0,89 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.867,30
    +29,20 (+1,59%)
     
  • BTC-USD

    43.130,95
    -4.127,94 (-8,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,63
    -3,29 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.156,78
    -17,07 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    34.296,53
    -85,60 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.248,00
    -139,00 (-1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3945
    -0,0095 (-0,15%)
     

Corte no orçamento público pode paralisar PIX

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
BRAZIL - 2020/10/07: In this photo illustration the Pix powered by Banco Central logo seen displayed on a smartphone. It is an electronic payment system in Brazil. (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Medida foi tomada para não estourar o teto de gastos (Fotoilustração por Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Repasses para a área de tecnologia do Banco Central foram cortados no orçamento público

  • Com corte, PIX corre o risco de ser paralisado

  • Todo o processamento do PIX é feito pelo Banco Central

Com corte no orçamento público em toda a área de tecnologia do Banco Central, o sistema de pagamentos instantâneos PIX corre risco de ser paralisado depois de seis meses de lançamento. As informações são do blog de Miriam Leitão no jornal O Globo.

Leia também:

Essa medida é necessária para que não haja desrespeito ao teto de gastos, a fim de não estourar o orçamento. Entretanto, segundo a economista, se essa despesa não for reconstituída, o PIX terá que parar, já que quem faz todo o processamento é feito pelo Banco Central.

Nova manobra

Agora, a manobra do governo fazer é colocar vários gastos acima do teto para não haver corte de emendas. Circula a ideia da proposição de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para colocar despesas acima do teto e evitar que elas entrem na contagem do teto de gastos.