Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.597,85
    +126,53 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Corte de juros a partir de junho seria compatível com convergência da inflação à meta, diz Guardado

Sede do Banco Central em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - A diretora do Banco Central Fernanda Guardado disse nesta quinta-feira que as projeções de mercado incorporadas ao cenário de referência do Copom apontam que cortes de juros a partir de junho do ano que vem seriam compatíveis com o objetivo de fazer a inflação convergir para as metas em 2024.

Mas, falando em evento da UBS Brasil Administradora de Valores, ela ressaltou que surpresas e mudanças na trajetória econômica podem impactar essas projeções.

"Quero reforçar que não é o nosso foco agora 'timing' de corte de juros, a gente está observando se esse processo de desinflação se desenrola da forma que a gente projeta, tem vários riscos nessa caminhada", disse a diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​, ao responder a uma pergunta.

Guardado ponderou, ainda, que as grandes incertezas que têm marcado a economia global e brasileira no período recente têm reduzido a confiança das projeções de prazo mais longo.

Ela também chamou a atenção em sua fala inicial para o fato de a inflação, tanto no Brasil como no mundo, ter recentemente se deslocado de bens para serviços, em que a inércia tende a ser mais elevada, o que exige "ação mais contundente" por parte dos bancos centrais.

ATIVIDADE

Sinais recentes na atividade e no crédito no Brasil chancelam percepção do BC de que o aperto monetário promovido pelo banco começa a se refletir na economia no segundo semestre do ano, disse Guardado.

"Mas essa convergência para o centro da meta só vai estar mais evidente, só vai estar claro, bem mais à frente", afirmou. "Dadas todas as incertezas que ainda permeiam o cenário, nós vamos precisar ter bastante paciência e serenidade para observar esta convergência."

Ainda falando sobre a atividade, Guardado afirmou que há um debate em torno da possibilidade de o hiato do produto, que mede a ociosidade da economia, estar ou não mais perto da neutralidade na economia brasileira. Ela ressaltou que é difícil medir esse indicador em tempo real, ainda mais em momentos de grandes incertezas, mas afirmou que o BC tem confiança de que nos próximos trimestres a tendência é de abertura do hiato do produto.

Quanto maior o nível de ociosidade da economia, menor a pressão sobre a inflação.

Guardado afirmou, ainda, que a decisão do BC de dar ênfase em sua política monetária à inflação no horizonte de seis trimestres à frente é condicionada à perspectiva de que os tributos sobre os combustíveis, que foram reduzidos provisoriamente este ano, sejam retomados em 2023.

"Dependendo de como essa incerteza se desenrola a gente vai continuar ou não dando ênfase a essa janela", disse a diretora.

Questionada sobre como o BC está vendo as discussões na equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva sobre política fiscal e acomodação de gastos no Orçamento de 2023, Guardado disse que a autoridade monetária aguarda que as decisões sejam efetivamente tomadas para incorporá-las ao seu cenário.

(Por Isabel Versiani)