Mercado fechará em 6 h 8 min
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,81
    -1,04 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.906,30
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.127,39
    +50,37 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,17
    +1,71 (+0,66%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.837,94
    -22,34 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.558,00
    -105,50 (-0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6801
    +0,0162 (+0,24%)
     

Corretora do Santander é autorizada a exportar energia para Argentina e Uruguai

Por Luciano Costa
·1 minuto de leitura
.
.

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A Santander Corretora de Seguros foi autorizada pelo Ministério de Minas e Energia a realizar exportações de energia elétrica interruptível para a Argentina e o Uruguai até o final de 2022.

A aprovação para as operações, publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira, segue-se a um aval para exportações aos mesmos países concedido na semana passada ao banco BTG Pactual, que tem uma unidade de comercialização de eletricidade.

As exportações para a Argentina, para ambas empresas, envolverão envio de até 2.200 megawatts de potência e energia associada pela estação conversora de Garabi e até 50 megawatts pela estação conversora Uruguaiana.

Já as vendas de energia para o Uruguai poderão envolver até 70 megawatts pela estação conversora de Rivera e até 500 megawatts pela conversora de Melo.

Operações de exportação para a Argentina já foram realizadas neste ano pela comercializadora de energia Tradener, que previa movimentar cerca de 20 milhões de dólares semanais com as transações entre o final de julho e meados de agosto, ajudando a atender a demanda do país vizinho no inverno, conforme publicado na época pela Reuters. [nS0N2CG045]