Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.889,63
    +470,84 (+0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Corretor ortográfico do iOS deve ficar mais inteligente, sugere patente da Apple

Igor Almenara
·2 minuto de leitura

Corretores automáticos podem ser bons aliados — ou os piores inimigos — na hora de redigir qualquer texto no celular. A Apple trabalha constantemente na sua solução integrada ao teclado do iOS e uma patente solicitada em 2017 pela companhia, mas reigstrada apenas recentemente, pode ter antecipado um novo “corretor inteligente” para iPhone e iPad.

O documento publicado pelo Escritório de Patentes de Marcas dos Estados Unidos (USPTO) descreve um sistema que reduz a análise de palavras à soletração. O recurso não compararia as expressões utilizadas pelo usuário, mas sim a sua construção em comparação com o que normalmente é escrito por ele, fazendo correções pontuais somente nas letras e sílabas com erro de digitação e não mais em toda a palavra.

A mudança é sutil para o uso prático, talvez não resultando em grandes diferenças em primeiras utilizações, mas amplia o conhecimento do corretor sobre os hábitos de comunicação do usuário. O termo é uma gíria ou abreviação constantemente utilizada e está com uma das letras erradas? Ela é corrigida ali, sem modificar toda a palavra.

(Imagem: Reprodução/USPTO)
(Imagem: Reprodução/USPTO)

No código, isso deve ter movimentado grandes alterações no corretor. A complexidade sobre a análise aumenta significativamente quando cada um dos caracteres é levado em consideração para a correção. A intenção, por sua vez, é minimizar a recorrência dos famosos “typos” — aqueles erros de digitação causados por toques acidentais —, então, não é a habilidade de escrita que será melhorada.

Não é estranho o tempo que esse conceito foi registrado para uma ideia que ainda virá no futuro. Por se tratar de um recurso de software tão presente na rotina de um smartphone, é crucial que o corretor não gere mais problemas do que soluções. Sendo assim, parece necessário um profundo refinamento da ferramenta antes que ela vá ao ar e gere dor de cabeça nos usuários de iPhone.

Por se tratar de uma patente, sua chegada não é confirmada e há a chance de nem mesmo sair do papel. Além disso, o documento não menciona melhorias visuais do teclado, apenas seu efeito sobre o hábito de escrita e algumas das possibilidades no cotidiano, como correções automáticas mais eficientes. Se o corretor estrear no futuro, ele deve ser parte de destaque de uma próxima versão do iOS. Por agora, resta esperar pelo anúncio.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: