Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.742,82
    +410,16 (+0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Correntes do Atlântico perdem força e assinalam grandes mudanças climáticas, diz estudo

·1 minuto de leitura
Estrada entre Saint-Jean-De-Luz e Hendaya, em Socoa, na França

Por Nina Chestney

LONDRES (Reuters) - O sistema de correntes do oceano Atlântico, um motor do clima do hemisfério norte, pode estar se enfraquecendo a tal ponto que em breve provocará grandes mudanças no clima mundial, alertou um estudo científico nesta quinta-feira.

A Circulação Meridional de Revolvimento do Atlântico (Amoc) é um sistema amplo de correntes oceânicas que transporta água quente dos trópicos para o Atlântico Norte.

Como a atmosfera se aquece devido às emissões maiores dos gases de efeito estufa, a superfície oceânica abaixo dela retém mais calor. Um possível colapso do sistema poderia ter consequências graves para os sistemas climáticos do planeta.

Modelos climáticos mostram que a Amoc nunca esteve tão fraca em mais de 1 mil anos, mas não se sabe se o enfraquecimento se deve a uma mudança na circulação ou se tem a ver com a perda de estabilidade.

O estudo, publicado no periódico científico Nature Climate Change, disse que a diferença é crucial.

"A perda de estabilidade dinâmica implicaria que a Amoc se aproxima de seu patamar crítico, além do qual uma transição substancial e, na prática, irreversível para o modo fraco poderia ocorrer", disse Niklas Boers, do Instituto Potstdam de Pesquisa de Impacto Climático e autor do estudo.

Ao analisar a temperatura da superfície do mar e os padrões de salinidade do Atlântico, o estudo disse que o enfraquecimento do último século provavelmente está associado com a perda de estabilidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos