Mercado fechará em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    111.839,06
    +3.056,91 (+2,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.321,49
    -759,84 (-1,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,07
    +0,83 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.764,80
    +9,50 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    16.390,85
    +145,17 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,00
    -1,73 (-0,44%)
     
  • S&P500

    3.955,29
    -8,65 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    33.808,64
    -40,82 (-0,12%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.546,00
    -70,25 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4802
    -0,0690 (-1,24%)
     

Corregedoria investiga suposta recusa de policiais de prender empresários bolsonaristas

GOIÂNIA, GO (FOLHAPRESS) - A Corregedoria-Geral da Polícia Federal investiga suposta recusa de policiais em realizar diligências que resultariam na prisão de empresários bolsonaristas envolvidos na promoção da "picanha mito" a R$ 22 e no anúncio em jornal de caminhonete a R$ 222.222,22 --em referência ao número de Jair Bolsonaro (PL) nas urnas.

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral de Goiás, eles são suspeitos de praticar crimes eleitorais, como propaganda irregular, boca de urna e aliciamento de eleitores.

A Superintendência da Polícia Federal informou à reportagem que recebeu o pedido do Ministério Público Estadual para apuração dos faltos e realizou diligências que instruirão os inquéritos policiais, mas não se posicionou sobre as acusações contra os policiais.

"Uma vez que a investigação esteja em curso, pela política da Coordenação Geral de Comunicação Social da PF, neste momento, ficamos impossibilitados de fornecer pormenores e/ou detalhes sobre os referidos expedientes", informou a superintendência, em nota.

De acordo com o documento da Promotoria encaminhado à PF na última terça-feira (25), o primeiro caso ocorreu em 2 de outubro, data do primeiro turno das eleições.

O órgão identificou suspeitas de crimes eleitorais supostamente praticados pelo Frigorífico Goiás, que naquele dia comercializava carne nobre, chamada de "picanha mito", a R$ 22.

A promoção foi realizada nas cidades de Goiânia e Aparecida de Goiânia, na região metropolitana. No mesmo dia, segundo a Promotoria, os procuradores pediram que a PF agisse por causa da suspeita de crime eleitoral, como boca de urna, que é considerada ilegal.

Na primeira vez, de acordo com o MPE, a equipe da PF informou que não havia sido identificado qualquer tipo de irregularidade na ação.

No entanto, os procuradores constataram que a promoção continuava sendo feita de forma irregular e, pela segunda vez, chamou a PF para que realizasse a prisão em flagrante dos empresários responsáveis pelo frigorífico.

Logo depois, uma equipe da PF teria ido até a Procuradora Regional Eleitoral de Goiás para tentar fazer os procuradores desistirem das prisões em flagrante.

Segundo o documento, o grupo era formado por "número de quatro ou cinco" policiais. Os nomes deles não foram divulgados. Por isso, a reportagem não conseguiu identificar seus advogados.

Um dos policiais federais teria tentado dissuadir os outros policiais federais e os membros do Ministério Público da ação contra os empresários.

"De forma emocional, ultrajante e insistente, levantou diversos argumentos estranhos à lei penal (tais como: diligência geraria desemprego, 'porque a empresa iria fechar'; o frigorífico estava no livre exercício da atividade comercial; estava havendo politização dos procuradores do MPE etc.) para não realizar a diligência, inclusive a prisão dos envolvidos em flagrante delito", diz o documento.

Em seguida, os procuradores teriam insistido na necessidade de a equipe da PF ir até a empresa, mas já eram 15h, e a ação promocional havia acabado, o que, segundo o Ministério Público, impediu a efetivação do flagrante.

No último sábado (22), a procuradoria solicitou à PF de Goiás a instauração de inquérito para apurar crimes eleitorais em uma ação publicitária das concessionárias de veículos Navesa e Ciaasa, que naquele dia anunciaram veículos da marca Ranger pelo valor de R$ 222.222,22.

Mesmo assim, de acordo com a Promotoria, a PF informou que não verificou a veiculação da promoção.

Logo depois, os procuradores mandaram uma equipe própria realizar uma diligência na concessionária para confirmar se a versão dos policiais era verdadeira.

"Novamente, fomos surpreendidos por fotografias da sede da aludida empresa em Goiânia, onde diversas caminhonetas Ranger apresentavam ostensivamente o valor de oferta de compra da ordem de 'R$ 222.222,22'. E, de novo, não se teve notícia da realização da prisão em flagrante dos responsáveis", registrou um trecho do ofício enviado à corregedoria.

De acordo com o Ministério Público, o caso do Frigorífico Goiás é mais grave por ter ocorrido no dia da eleição, o que pode configurar propaganda boca de urna, entre outras ilegalidades.

Segundo o órgão, as concessionárias poderiam ser denunciadas pelo crime que proíbe a utilização de estabelecimento comercial para propaganda e aliciamento de eleitores.

A reportagem ligou para o Frigorífico Goiás e para as concessionárias de veículos, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.