Mercado fechará em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    110.272,07
    -3.310,94 (-2,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.053,57
    -544,96 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,05
    -0,40 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.734,30
    -17,70 (-1,01%)
     
  • BTC-USD

    41.655,88
    -1.387,89 (-3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,05
    -28,10 (-2,66%)
     
  • S&P500

    4.377,50
    -65,61 (-1,48%)
     
  • DOW JONES

    34.473,50
    -395,87 (-1,14%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.814,75
    -380,00 (-2,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3420
    +0,0352 (+0,56%)
     

Corregedor do TSE pede ao STF provas para investigação sobre chapa Bolsonaro-Mourão

·2 minuto de leitura

Brasília — O ministro Luis Felipe Salomão, corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pediu nesta quarta-feira ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o compartilhamento de novas provas do inquérito dos atos antidemocráticos, arquivado em 1º de julho, e do inquérito para apurar a existência de uma milícia digital contra a democracia. O objetivo do pedido é ajudar nas investigações da chapa eleitoral formada em 2018 pelo então candidato Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão.

"Renovo não só o pedido de informações, como também o de compartilhamento de provas eventualmente produzidas que possam vir a interessar à solução das lides postas nos autos das Aijes, afirmou, no ofício, o corregedor do TSE.

Duas ações de investigação judicial eleitoral (Aijes) contra a chapa Bolsonaro-Mourão por supostas irregularidades na contratação do serviço de disparos em massa de mensagens em redes sociais durante a campanha de 2018 tramitam no TSE e têm como relator o ministro Salomão.

Segundo o corregedor, os fatos sob apuração no âmbito do STF podem "guardar relação com aqueles investigados nas Aijes". As ações pedem a cassação da chapa por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

No início de julho, ao arquivar a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) o inquérito dos atos antidemocráticos, o ministro Alexandre de Moraes já havia autorizado o compartilhamento de provas obtidas com a investigação com o TSE. Ao decidir encerrar o inquérito sobre os atos antidemocráticos, o relator abriu uma nova investigação.

O pedido do corregedor do TSE acontece no momento em que a Corte Eleitoral tomou duas fortes medidas contra o Presidente Jair Bolsonaro. Na segunda-feira, por unanimidade, os ministros autorizaram a abertura de inquérito administrativo sobre ameaças do presidente à realização das eleições e um pedido ao Supremo para que Bolsonaro seja investigado no inquérito que apura a disseminação de fake news.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos