Mercado fechado

Correção: Mudanças de política de preços pode impactar B3 em R$ 250 milhões

A nota continha um erro no título e no primeiro parágrafo. A mudança de política de tarifação da B3, anunciada hoje, poderá impactar as receitas da empresa em R$ 250 milhões. A nota dizia que esse efeito era apenas com as mudanças para empréstimo de ativos de renda variável. Segue abaixo a nota corrigida.

A mudança da política de tarifação da B3 anunciada nesta quinta-feira, 2, para o mercado de renda variável, em negociação e pós-negociação no mercado à vista, central depositária, empréstimo de ativos, além da atualização da política de tarifação do mercado de balcão, poderá provocar um impacto de R$ 250 milhões em redução de receitas para a B3, segundo simulações e testes feitos nos últimos 12 meses, informou a própria empresa.

A B3 adotará uma nova tarifa porcentual baseada na taxa do contrato, com aplicação de floor e cap, ambos também em bases points/ano. Terão também tarifas menores para negociação eletrônica versus negociação em balcão.

"O desenvolvimento do serviço de empréstimo de ativos ocupa papel central na sofisticação do mercado brasileiro e as alterações na política de tarifas buscam estimular esse desenvolvimento por meio da redução de custos e introdução de incentivos para a eletronificação e transparência", explicou a B3, em fato relevante.

Diante disso, a empresa realizou tais simulações e testes com perfis de clientes em um cenário de 12 meses passado. Do impacto de R$ 250 milhões, mais de 85% estaria concentrado nos serviços de negociação e pós-negociação no mercado à vista.

"É importante destacar que não é possível garantir que, uma vez implantadas as novas políticas de tarifação, o impacto financeiro para a B3 guardará qualquer relação com o número mencionado acima, uma vez que podem ocorrer mudanças significativas nas condições de mercado, na base de clientes e no

perfil de negociação destes."

A B3 fará uma teleconferência de imprensa às 11 horas para explicar as mudanças com a introdução das novas regras tarifárias.

Em 2019, houve um aumento de 95% até novembro da quantidade de investidores pessoas físicas cadastrados na B3, chegando a 1,59 milhão.

No dia 23 de dezembro, a B3 informou a conclusão para a prestação de serviços de transferência de valores mobiliários com a Americas Trading Group (ATG) para acesso a sua central depositária, o que abre espaço para a entrada de uma concorrente no País. Desde então, a ação da B3 já caiu mais de 12%.