Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.815,27
    +1.320,91 (+4,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Corpo do miliciano Ecko será enterrado na manhã deste domingo em Paciência, na Zona Oeste do Rio

·1 minuto de leitura

RIO — O corpo do miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, será enterrado neste domingo, às 11h30, no cemitério Jardim da Saudade, em Paciência, na Zona Oeste do Rio. A informação foi confirmada pela administração do cemitério. O chefe da maior milícia do Rio foi preso na manhã de sábado pela Polícia Civil na comunidade de Três Pontes, também em Paciência. O criminoso levou dois tiros na região do tórax e chegou a ser socorrido, mas morreu a caminho do hospital. Ecko foi levado de ambulância para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, depois de ter sido retirado de Paciência em um helicóptero.

De acordo com a Polícia Civil, Ecko foi atingido pelo primeiro tiro ainda na casa da família, onde se escondia com a mulher e três filhos. Já o segundo disparo contra o bandido foi efetuado dentro da van que o levava até o helicóptero da corporação. Segundo Tiago Neves, da Subsecretaria de Inteligência, o miliciano tentou retirar a arma de uma policial enquanto era conduzido. Policiais que estavam na van relataram que o criminoso chegou a apertar várias vezes a arma da agente, mas o equipamento estava travado. Então um colega dela, lotado na Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPim), efetuou o disparo.

Ainda segundo os investigadores, no momento na abordagem dentro de casa, Ecko se mostrou alterado, levantando hipótese de ter usado drogas. Os agentes descreveram gritos de que ele era "o Ecko" e o "Welington". Um dos policiais contou que mesmo ferido, o criminoso dizia que estava bem. Após descobrir que Wellington visitaria a mulher no Dia dos Namorados, a corporação montou a operação ''Dia dos namorados''.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos