Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.781,81
    +285,95 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Coronel mostra áudios mostrando negociação de vacina privada, e senadores apontam atividade ilegal

·3 minuto de leitura
BRASILIA, DF,  BRASIL,  04-08-2021, 10h00: CPI DA COVID. O deputado federal Reinhold Setephanes (PSD-PR) deixa o plenário da CPI acompanhado por uma policial legislativa após ser repreendido ao gravar um vídeo criticando a comissão durante reunião que tomava o depoimento do ex funcionário do Ministério da Saúde Coronel Marcelo Blanco. A policial legislativa pediu a identificação do parlamentar afim de checar se de fato era um deputado federal, que tem livre acesso ao plenário das comissões no senado. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASILIA, DF, BRASIL, 04-08-2021, 10h00: CPI DA COVID. O deputado federal Reinhold Setephanes (PSD-PR) deixa o plenário da CPI acompanhado por uma policial legislativa após ser repreendido ao gravar um vídeo criticando a comissão durante reunião que tomava o depoimento do ex funcionário do Ministério da Saúde Coronel Marcelo Blanco. A policial legislativa pediu a identificação do parlamentar afim de checar se de fato era um deputado federal, que tem livre acesso ao plenário das comissões no senado. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao explicar a sua participação na negociação de compra de vacinas da AstraZeneca, o tenente-coronel Marcelo Blanco apresentou uma série de mensagens trocada com o policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que dizia representar uma empresa americana.

Os áudios e mensagens mostram que Blanco, que nesse momento já havia saído do Ministério da Saúde, tratando de negociação de venda de vacinas para a iniciativa privada. As conversas se deram no mês de fevereiro, entre 9 e 22.

Os membros da CPI apontaram então que se tratava de uma atividade ilegal, uma vez que a legislação que autorizava a compra de vacinas pela iniciativa privada apenas foi sancionada no dia 11 de março.

"A primeira menção a se ter uma lei é do dia 18 de fevereiro. A primeira reunião ocorre no dia 21 de fevereiro, eu participei, sob a resistência do governo [ao projeto de lei]", disse o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues.

Randolfe ainda explica que a legislação sancionada permite a compra por iniciativa privada apenas após a vacinação de todos os grupos prioritários pelo Programa Nacional de Imunizações. O projeto de lei que previa a compra imediata por iniciativa privada só viria a ser apresentado e aprovado pela Câmara dos Deputados em março. A proposta acabou engavetada no Senado.

Ao se justificar, Blanco disse que estava apenas se adiantando, para estar preparado quando a legislação fosse aprovada.

"Eu só estava querendo construir um modelo de negócio", afirmou.

"A gente vem acompanhando [o debate] no que é público. E eu falei para ele [Dominghetti] 'precisamos desenhar uma estratégia almejando esse mercado'. Eu gostaria de ter algo já desenhado", completou Blanco.

LUIZ PAULO DOMINGHETTI

O coronel Marcelo Blanco, ex-assessor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, disse à CPI da Covid nesta quarta-feira (4) que levou o cabo da PM Luiz Paulo Dominghetti a um jantar com o então diretor da área, Roberto Dias, para que ele o conhecesse e tentasse marcar uma agenda para tratar da venda de vacinas.

Blanco indicou que levou Dominghetti ao restaurante Vasto sem o conhecimento de Dias. Naquele encontro, segundo o PM relatou à Folha, o ex-diretor de Logística teria pedido propina de US$ 1 para viabilizar a compra de imunizantes da Astrazeneca.

"Quando eu fiquei sabendo que o Roberto estaria no Vasto, eu sugeri a ele 'eu te apresento e você pede a sua agenda [no departamento de logística]"

"Eu não falei que foi um encontro casual. Eu sabia que o Roberto estaria no Vasto. Eu posso ter sido inconveniente de levar o Dominghetti sem avisar? Até posso ter sido. Mas eu não vi mal algum", disse Blanco.

O coronel negociava com o PM a compra de vacinas destinadas ao mercado privado, apesar de não haver autorização para a venda de imunizantes a empresas.

DIÁLOGOS GERAM BATE-BOCA EM CPI

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a sessão da comissão por alguns minutos após discussões a respeito dos diálogos existentes entre o coronel Blanco e Luiz Paulo Dominghetti.

O senador relatou que o advogado de Blanco, que presta depoimento ao colegiado nesta quarta-feira (4) passou a ele cópia de diálogos entre o coronel e o cabo da PM que acusou o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde de ter pedido propina em troca da venda de vacinas da Astrazeneca.

"Estou afirmando que está faltando parte das conversas", afirmou Omar.

A CPI tem em mãos o teor dos diálogos entre eles. O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) acusou Blanco de ocultar provas e os governistas reagiram com críticas ao senador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos