Mercado abrirá em 3 h 11 min

Coronavírus: Witzel permitirá aulas on-line nas escolas do Rio

(AP Photo/Silvia Izquierdo)

O governador Wilson Witzel fará, até amanhã, ajustes no decreto que suspendeu as aulas e determinou férias escolares, em virtude da pandemia de coronavírus. Com isso, ele vai liberar as escolas que tiverem recursos para oferecerem aulas on-line.

As informações são da coluna de Ancelmo Gois, do Globo.

Leia também

No decreto original, o governo obrigou as escolas a darem férias a alunos e professores. Com as alterações, as unidades serão orientadas para a possibilidade de aulas on-line, em substituição às férias.

Em vídeo, Crivella diz que 'não há necessidade de pânico'

A chegada do novo coronavírus ao Rio de Janeiro foi tema do vídeo do prefeito Marcelo Crivella neste domingo em suas redes sociais. Na gravação, com pouco mais de dois minutos, ele afirma que não há motivo para pânico na cidade e lista uma série de recomendações e medidas. Entre as sugestões está alternar os horários para diferentes setores a fim de evitar lotação nos transportes públicos para quem não pode trabalhar de casa. A medida de escala será aplicada para o setor público. O município do Rio entrou em estágio de atenção na tarde desta sexta-feira.

"Quero afirmar que não há necessidade de pânico na nossa cidade. Oitenta por cento das pessoas que foram contaminadas com o coronavírus mundo afora não apresentaram grandes sintomas. Dezoito por cento delas tiveram febre e dificuldade para respirar. Apenas 2% ou 3% dessas pessoas precisaram de internação", disse o prefeito.

Na quinta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, esteve no Rio em evento com Marcelo Crivella e a secretária Municipal de Saúde, Ana Beatriz Busch. No encontro, Mandetta destacou as dificuldades da cidade carioca dada as condições geográficas e sociais complexas que exigem atenção por parte das autoridades. Na quarta-feira, o secretário estadual de Saúde do Rio, Edmar Santos, fez a previsão de aumento na escalada do número de casos dentro de duas semanas. O pico da Covid-19, ainda segundo ele, deve ocorrer em um mês.

Entre as adaptações no setor público, o disputado álcool em gel, que tem gerado buscas acirradas no comércio, será disponibilizado nas repartições públicas, como hospitais, abrigos, estações de BRT e escolas, embora com as aulas suspensas, vão funcionar para o almoço, das 11h às 13h. As férias de profissionais de Saúde e Assistência Social foram suspensas. Os abrigos de idosos não podem receber visitas no momento, e os aparelhos municipais de cultura fecham a partir desta segunda-feira

Uma nova reunião do gabinete de crise está prevista para a terça-feira.

Do EXTRA