Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.897,71
    -2.134,73 (-5,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

CoronaVac reduz mortalidade de covid-19 em 97% no Uruguai, diz estudo

·2 minuto de leitura

A vacina chinesa contra a covid-19 CoronaVac reduz em 97% a mortalidade por essa doença, segundo os resultados preliminares de um estudo publicado na quinta-feira (27) e realizado entre a população uruguaia.

Já a vacina da americana Pfizer, que é aplicada exclusivamente em grupos de risco neste país sul-americano, chegou a 80% de redução da mortalidade.

“A redução da mortalidade de covid-19, decorridos mais de 14 dias desde a última dose da vacina, é de 97% para Coronavac e 80% para Pfizer”, aponta o 'Estudo de eficácia da vacinação contra SARS-CoV-2 no Uruguai em 2021', realizado pelo Ministério da Saúde Pública (MSP).

As porcentagens não são estritamente comparáveis, já que no Uruguai a Pfizer está reservada para os maiores de 70 anos, profissionais da saúde e pessoas com comorbidades. O restante da população recebe a Sinovac.

O estudo do governo uruguaio mostra, por outro lado, uma maior eficácia da vacina americana para impedir os contágios e as hospitalizações.

O relatório indica que, do número total de 712.716 pessoas totalmente imunizadas com Coronavac em 25 de maio, 5.360 testaram positivo para coronavírus. Dessas pessoas, 19 precisaram de internação em UTI e 6 faleceram.

Da mesma forma, do total de pessoas completamente imunizadas com a vacina da Pfizer na mesma data (149.329), 691 foram infectadas com covid, apenas uma necessitou de hospitalização no CTI e 8 morreram. O relatório esclarece que, neste caso, todos tinham mais de 80 anos.

Em percentuais, a redução de casos com a vacina do laboratório chinês Sinovac é de 57% e com a Pfizer é de 75%.

Enquanto isso, o relatório observou uma eficácia de 95% para a CoronaVac e 99% para a Pfizer em hospitalizações em unidades de terapia intensiva.

O estudo esclarece que os números são preliminares e "devem ser interpretados com cautela, pois não levam em consideração a idade das pessoas, suas comorbidades e grupos de alta exposição", como os funcionários da saúde. Esses ajustes estatísticos serão comunicados em relatórios futuros.

Exemplo de gestão no início da pandemia, o Uruguai, de 3,5 milhões de habitantes e que nunca recorreu ao confinamento e mantém grande parte de suas atividades abertas, vive o pior momento da crise sanitária.

Com 21,5 mortes a cada 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, o Uruguai lidera o ranking mundial de mortes por covid-19, seguido pelo Paraguai e Argentina, de acordo com uma contagem da AFP com base em dados oficiais.

O governo do presidente Luis Lacalle Pou aposta todas as fichas na vacinação, que vem progredindo intensamente desde o seu início, em 1º de março.

Atualmente, 47% da população já recebeu a primeira dose da vacina e 28% a segunda.

gv/yo/am/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos