Mercado abrirá em 8 h 12 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,62
    -0,20 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.822,60
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.005,54
    -1.508,90 (-2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.347,29
    -40,61 (-2,93%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.981,51
    +262,84 (+0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.049,42
    +601,41 (+2,19%)
     
  • NASDAQ

    13.179,50
    +79,25 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4143
    +0,0018 (+0,03%)
     

Coronavírus se propaga de forma inexplicável em alguns países

Bloomberg News
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Enquanto países da Ásia-Pacífico enfrentam novos focos de coronavírus, um dado tem direcionado as respostas de governos: a proporção de casos sem indicação clara de como a infecção ocorreu.Esses pacientes não podem ser vinculados a outros casos confirmados ou surtos existentes, o que indica cadeias ocultas de transmissão. Uma proporção crescente desses casos em novos focos tem levado governos, como na Austrália e Hong Kong, a tomarem medidas amplas e contundentes, impondo novamente quarentenas a cidades inteiras.

“Você dificilmente pode conter o surto porque não tem ideia de onde surgirá em seguida”, disse Yang Gonghuan, ex-diretor-geral adjunto do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China. “Quando há mais casos em que as origens são desconhecidas, isso aumenta a dificuldade de contenção.”

Por outro lado, uma baixa parcela de casos de origem desconhecida significa que as autoridades podem permanecer relativamente tranquilas - como na Coreia do Sul e no Japão - mesmo que o total de novas infecções diárias chegue a centenas. Esses países podem adotar uma abordagem direcionada e ágil, fechando escolas ou locais de trabalho onde existem focos, mas permitindo que o restante da população viva normalmente.

Esse dado é um sinal revelador para saber se os novos focos no mundo todo resultarão em ondas maiores e se os moradores precisam se preparar para um retorno ao confinamento.

Hong Kong: medidas mais rígidas

O centro financeiro asiático desfrutou de três meses de vida normal, antes de uma nova onda surpreendente neste mês, que parece ser a pior. Infecções de “origens desconhecidas” agora respondem pela metade de todos os novos casos locais, o que indica que estão surgindo em diversos lugares.

A ex-colônia britânica reagiu rapidamente, impondo medidas rigorosas na cidade de 7,5 milhões. As escolas começaram as férias de verão antes, enquanto bares, academias e praias foram fechados. Reuniões públicas são limitadas a quatro pessoas e quem se recusar a usar máscara no transporte público terá de pagar multa de 5 mil dólares de Hong Kong (US$ 645).

Melbourne, Austrália: retorno ao bloqueio

Os 5 milhões de residentes de Melbourne estão no meio de uma quarentena de seis semanas devido a uma nova onda de infecções por coronavírus no estado de Victoria, 51% das quais são de origem desconhecida ou ainda estão sob investigação. O surto está se espalhando para Sydney, aumentando o receio de que a maior cidade da Austrália se torne um novo epicentro.

Tóquio, Japão: aumento preocupante

Chamados de “infecções com rotas desconhecidas” por autoridades japonesas, a proporção de tais casos quando o novo surto começou cerca de um mês atrás era inicialmente baixa, em cerca de 20%. Esse dado foi citado pelo governo para justificar poucas medidas e continuar a abrir a economia e a sociedade.

Mas a parcela de casos de origem desconhecida agora aumentou para cerca de 53%, soando o alarme. Embora o governo japonês não tenha poder legal para obrigar o fechamento de empresas, a piora da situação leva autoridades do país a adotarem um tom mais preocupante, alertando que as empresas podem ter que fechar e pedindo para que as pessoas modifiquem o comportamento.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.