Mercado fechará em 5 h 54 min

Coronavírus: quais os riscos de se contaminar num banheiro público?

Nathan Vieira

Cientistas norte-americanos estão concentrados em novas preocupações relacionadas à COVID-19. Acontece que pesquisas feitas nos últimos meses sugerem que o SARS-CoV-2, o vírus que causa a doença que tem preocupado a população mundial, sobrevive no trato gastrointestinal e pode permanecer no cocô. Quando se dá descarga, a força da água acaba levantando uma nuvem invisível de partículas em aerossol. Essas partículas podem ser inaladas, mas o que mais preocupa os especialistas é o fato de que elas também atingem superfícies — sendo que o vírus pode sobreviver nelas por horas ou até dias.

De acordo com a professora de saúde pública Kathleen Aithinne, da Universidade de Oklahoma, em entrevista ao portal norte-americano Popular Science, o principal problema dos aerossóis de banheiro é a contaminação ambiental. O que ocorre é o seguinte: o banheiro pode não estar limpo há um tempo e pode não ser bem ventilado, e a contaminação se acumula nas superfícies, então as pessoas tocam nessas superfícies e em si mesmos, transmitindo as partículas. Uma preocupação adicional é o fato de os banheiros serem locais úmidos, o que fornece um meio para o vírus transitar.

 Os riscos de se contaminar num banheiro público, de acordo com especialistas norte-americanos

Ainda assim, segundo Aithinne, o risco para qualquer usuário de banheiro é "baixo a moderado". Se você estiver lavando as mãos e não tocando o rosto como exigem os protocolos atuais, o risco é ainda menor. Não está totalmente clara a escala da transmissão de coronavírus que pode estar ocorrendo nos banheiros públicos, porque existem muitos fatores que alteram os riscos. A carga viral do SARS-CoV-2 no cocô é variável, e ainda não foi quantificada.

Além disso, um novo estudo publicado na revista Physics of Fluids, de pesquisadores chineses, sugere que 40 a 60% das partículas virais depositadas no vaso sanitário atingem pelo menos o topo do assento quando são lavadas. No entanto, essa informação ainda não garante o quão problemáticas essas partículas virais podem ser, já que não se sabe exatamente se elas realmente infectam as pessoas.

Os cientistas pensam nos micróbios que envolvem os banheiros desde os anos 1950. É daí que vem a ideia de sempre fechar a tampa do vaso sanitário antes de você dar descarga. Os especialistas afirmam que os banheiros públicos devem ser limpos com mais regularidade durante a pandemia, e ventilação extra deve ser instalada, se possível. Aithinne também observa que ambientes de alto risco, como asilos, deveriam receber cuidados ainda mais aprimorados por causa das populações vulneráveis ​​que os utilizam.

Fonte: Canaltech