Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.375,61
    -3.493,16 (-8,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Coronavírus pode interagir com proteínas associadas ao Parkinson no cérebro

·2 min de leitura

Pesquisadores da Universidade de Twente, nos Países Baixos, observaram que o coronavírus SARS-CoV-2 pode interagir com proteínas do cérebro associadas a formação de fibrilas amiloides, um dos marcadores do mal de Parkinson. O estudo foi feito em laboratório (in vitro) e por ora não é possível afirmar que o mesmo processo se repita no organismo humano.

Publicado na revista científica ACS Chemical Neuroscience, o estudo observou como a proteína N (proteína nucleocapsídica) do coronavírus interage com uma proteína do sistema neurológico, a alfa-sinucleína. A partir dessa interação, a formação de fibrilas amiloides pode ser acelerada, pelo menos no ambiente controlado do laboratório.

Em laboratório, coronavírus consegue interagir com proteínas que têm relação com o Parkinson (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)
Em laboratório, coronavírus consegue interagir com proteínas que têm relação com o Parkinson (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)

Além disso, a equipe de cientistas testou se a proteína S (spike) do coronavírus poderia interagir com a alfa-sinucleína e, se sim, de que forma ocorreria essa interação. No entanto, "mostramos, em experimentos em tubo de ensaio, que a proteína spike SARS-CoV-2 (proteína S) não tem efeito na agregação alfa-sinucleína", explicam os autores.

"Atualmente, não está claro se também existe uma relação causal direta entre essas doenças", explicam os autores do estudo sobre a possibilidade da covid-19 ser uma causa possível para quadros de Parkinson. Para isso, novos estudos ainda são necessários.

Relação entre o coronavírus e o Parkinson in vitro

Em casos da doença de Parkinson, a alfa-sinucleína é responsável por formar fibrilas amiloides. Incapazes de se degradar, elas se acumulam no tecido e provocam a morte celular, mais especificamente, a morte dos neurônios produtores de dopamina. Inclusive, medicamentos experimentais buscam reverter esse quadro de acúmulo das fibrilas amiloides.

Pelo menos in vitro, o coronavírus parece ter conexão com esse processo que acelera a formação de fibrilas amiloides. Agora, novos estudos devem avançar na compreensão desse fenômeno, confirmando se há riscos para pessoas que estão com covid-19.

Vale lembrar que outros efeitos da covid-19 no cérebro já são conhecidos, como a névoa mental, a perda do olfato (anosmia) ou alterações na sua percepção (parosmia). Além disso, a perda de memória é relatada em pacientes que enfrentam o pós-covid.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos