Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,45
    +0,33 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.857,10
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    39.983,07
    -619,83 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    993,84
    -16,77 (-1,66%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.392,49
    -48,81 (-0,17%)
     
  • NASDAQ

    14.047,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1149
    -0,0030 (-0,05%)
     

Coronavírus pode infiltrar células do pâncreas e causar diabetes, sugere estudo

·1 minuto de leitura

Pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA) descobriram que o coronavírus pode infectar células produtoras de insulina no pâncreas, reduzindo sua capacidade de secretar insulina e aumentando os sintomas de diabetes.

A danificação dessas células produtoras de insulina pode piorar principalmente os sintomas de diabetes tipo 1, em que o pâncreas já produz pouca ou nenhuma insulina. Além disso, o trabalho sugere que a COVID-19 grave pode desencadear diabetes em pessoas sem histórico anterior da doença.

Para investigar se o SARS-CoV-2 pode atacar diretamente o pâncreas, os pesquisadores realizaram experimentos em tecido pancreático de doadores de órgãos que morreram de infecções graves por COVID-19. Eles descobriram que o SARS-CoV-2 havia infectado diretamente as células beta (células endócrinas do pâncreas) de alguns indivíduos, e que o vírus poderia infectar, danificar e matar células beta retiradas de outros doadores que não morreram de COVID-19.

Coronavírus pode infiltrar células e piorar sintomas de diabetes (Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)
Coronavírus pode infiltrar células e piorar sintomas de diabetes (Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)

No entanto, mesmo com esta nova evidência, a questão permanece incerta, e para chegar a uma conclusão sólida, os cientistas precisarão examinar muito mais amostras de pâncreas de pacientes que morreram de COVID-19.

"Nós realmente precisaríamos impulsionar um estudo muito maior para obter um número real quanto à taxa de infecção nas células beta do pâncreas para pacientes com COVID grave. Não está claro se sua abordagem para infectar células simula o que acontece quando uma pessoa tem infecção por SARS-CoV-2", apontam os pesquisadores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: