Mercado abrirá em 8 h 23 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,72
    +0,16 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.910,30
    +4,60 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.083,44
    -25,35 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,66
    -2,75 (-1,04%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.645,19
    -273,59 (-1,10%)
     
  • NIKKEI

    23.428,70
    -65,64 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    11.505,75
    +13,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6449
    +0,0044 (+0,07%)
     

Coronavírus pode aguentar 28 horas na tela do celular (dependendo das condições)

Natalie Rosa
·2 minutos de leitura

Na última semana, um estudo revelou que o coronavírus pode resistir por até nove horas na pele humana, caso não seja feita e higienização adequada. Agora, uma nova pesquisa mostra que em algumas superfícies, como a tela do smartphone, recibos de papel, vinil e aço inoxidável (material usado em talheres e uma infinidade de produtos), o SARS-CoV-2 pode se manter vivo por até 28 horas.

A descoberta foi feita pela agência de ciência CSIRO, realizada na nacional Australian Centre for Disease Preparedness (ACDP), em Geelong, na Austrália, mostrando ainda que o coronavírus sobrevive por mais tempo em temperaturas mais baixas. Outros estudos já apontaram para a redução da taxa de sobrevivência do vírus em temperaturas entre 30°C e 40°C.

Portanto, como conta Peter Collingon, professor de doenças infecciosas na Universidade Nacional da Austrália, o experimento foi feito em uma área escura que anula os efeitos da luz ultravioleta, que já foi comprovada como capaz de matar o vírus. "É por isso que o lado de fora é provavelmente mais seguro que a parte de dentro, porque as luzes UV estão lá e o vírus pode ser inativado em parques e outras coisas que ficam ao sol", conta. Outro dado interessante do estudo, que também foi apontado na pesquisa do vírus na pele humana, é que o SARS-CoV-2 pode durar 10 dias a mais que o vírus da influenza em algumas superfícies.

<em>Imagem: Reprodução/jcomp/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/jcomp/Freepik

O estudo relata também uma incerteza considerável em relação a quanto as superfícies atuam na propagação do vírus. "Eu diria que 90% do problema e da transmissão está relacionada a estar perto de pessoas que tossem ou espirram em sua direção, ou soltam partículas. Provavelmente cerca de 10% das transmissões são prováveis a acontecerem por causa de mãos e superfícies", explica Collignon. Mesmo assim, o especialista diz que é importante lavar as mãos antes de tocar o rosto.

Para Larry Marshall, executivo-chefe do CSIRO, estabelecer a duração da sobrevivência do vírus em superfícies permite que os cientistas consigam prever e prevenir a propagação da doença. A pesquisa conta também que o vírus é mais resistente em papel do que plástico e em superfícies mais lisas, em vez das porosas, como o algodão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: