Mercado fechado

Coronavírus leva Iata a pedir relaxamento na política de ‘slots’

Cibelle Bouças

A associação que reúne as 290 maiores empresas aéreas do mundo quer uma mudança 'extraordinária' na regra de controle de horários de pousos e decolagens A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), que representa as 290 maiores empresas aéreas do mundo, informou nesta segunda-feira que está solicitando a órgãos reguladores da aviação em todo o mundo a flexibilização das regras de controle de horários de pousos e decolagens (“slots”) em 2020, devido ao impacto do coronavírus.

Passageiro tendo a temperatura medida antes de pousar no aeroporto de Pequim

Andy Wong/AP

Aproximadamente 43% dos passageiros que voam no mundo partem de pouco mais de 200 aeroportos coordenados por slots. Atualmente, as regras para alocação de slots estabelecem que as companhias aéreas precisam operar pelo menos 80% dos horários alocados em circunstâncias normais. Se não cumprem essa frequência mínima, a companhia aérea perde o direito ao slot na próxima temporada.

Em circunstâncias excepcionais, no entanto, as agências reguladoras podem relaxar esse requisito. Na visão da Iata, a crise do Covid-19 gera um forte impacto no tráfego aéreo e deve ser considerada como uma circunstância excepcional.

“Dadas as circunstâncias extraordinárias como resultado da emergência de saúde pública, a visão coletiva do setor é que a aplicação da regra dos 80% na próxima temporada é inadequada. É necessária flexibilidade para as companhias aéreas ajustarem seus horários de acordo com os desenvolvimentos extraordinários de demanda”, informou a Iata em comunicado.

A Iata observou que uma transportadora aérea sofreu uma redução de 26% em toda a sua operação neste ano, em comparação com 2019. Outra informou que suas reservas de voos para a Itália caíram para zero. Muitas transportadoras aéreas reportam que 50% dos passageiros que compraram bilhetes aéreos não comparecem para voar.

As reservas de voos futuros estão encolhendo e as aéreas começam a conceder licença não remunerada e a manter aviões em solo.

Órgãos reguladores da China e de Hong Kong já flexibilizaram as regras de slots durante a crise do Covid-19.