Mercado abrirá em 9 h 47 min

Coronavírus confina 3 bilhões de pessoas e ONU adverte que ameaça a humanidade

Por Philippe RATER, con Diego URDANETA en Madrid y oficinas AFP en todo el mundo
Médicos socorrrem paciente contagiada por coronavírus

Mais de 3 bilhões de pessoas estavam nesta quarta-feira sob medidas de confinamento ao redor do mundo para conter a propagação do novo coronavírus, que, segundo a ONU, ameaça a humanidade.

Um total de 450 mil casos da doença foram declarados oficialmente no planeta, e a cifra de mortos superava 20.600, a maioria na Europa, segundo um balanço feito pela AFP.

A Espanha se somou à Itália ao superar o número de mortos da China, e os Estados Unidos são o país onde o contágio avança mais rapidamente.

A pandemia de coronavírus "ameaça toda a humanidade", disse nesta quarta-feira o secretário-geral da ONU, António Guterres, lançando um plano de resposta global que vai até dezembro e que inclui doações de até US$ 2 bilhões.

Os mercados de ações se recuperaram em nível global e os preços do petróleo subiram, ante a expectativa de que o Congresso americano aprove um pacote histórico de estímulo de 2 trilhões de dólares.

Com mais de 60 mil casos confirmados, os Estados Unidos são o terceiro país em número de infectados, atrás da China e Itália. O presidente Donald Trump espera que o país possa se reativar em meados de abril, mas parece estar sozinho entre os líderes mundiais.

Cerca de 40% dos 7,8 bilhões de habitantes do planeta foram convocados a permanecer em casa. A maioria dos países e territórios, entre eles Índia, Argentina, França, Itália e Reino Unido, bem como muitos estados americanos, impuseram medidas de confinamento obrigatórias. O Panamá foi o mais recente a se somar a esta lista.

Outros países anunciaram toque de recolher, como Chile e Equador, bem como quarentenas e outras recomendações de distanciamento de pessoas. A França anunciou o lançamento da operação militar Resiliência para contribuir com a luta contra a pandemia.

Na Rússia, o presidente Vladimir Putin decretou feriado na próxima semana e propôs uma votação sobre reformas constitucionais polêmicas.

As principais economias do G20 farão uma videoconferência de emergência amanhã para discutir uma resposta global para a crise, bem como os 27 líderes da União Europeia, novo epicentro da pandemia.

Na China, as restrições drásticas impostas por vários meses na província de Hubei, primeiro foco da pandemia, foram levantadas hoje. Não foi detectado nenhum caso de contágio local em 24 horas naquele país, mas foram registrados 47 casos "importados" do exterior.

Com mais de 3.400 mortos, a Espanha se tornou hoje o segundo país com mais vítimas fatais do novo coronavírus, à frente da China, com a qual fechou um contrato de 432 milhões de euros para adquirir material sanitário.

A situação na capital espanhola piorou tanto que uma pista de gelo foi transformada em necrotério e o Exército está desinfetando os lares de idosos.

A Itália, onde o número de doentes desacelerava, continua sendo o país mais afetado pela pandemia, com 7.503 mortos, 683 nas últimas 24 horas.

Espanha e Itália se uniram à França e a outros seis países da UE para pedir à Alemanha e Holanda que permitam a emissão de bônus europeus para estabilizar a economia da eurozona.

- Príncipe Charles infectado -

O número de doentes também aumentou no Oriente Médio, onde mais de 2 mil pessoas já morreram no Irã, e na África, onde o Mali registrou o primeiro caso e vários países anunciaram estado de emergência.

No Reino Unido, o príncipe Charles, 71, infectou-se, e, segundo um comunicado oficial, "permanece com boa saúde". No Japão, o governador de Tóquio alertou para uma possível explosão de infectados neste fim de semana.

A Colômbia, terceiro país mais populoso da América Latina, iniciou um confinamento obrigatório de 19 dias para conter o avanço da doença, para a qual não há tratamento.

Já o presidente Jair Bolsonaro fez um chamado para "manter os empregos e preservar o sustento das famílias". No Brasil, as deficiências no sistema de saúde, a pobreza e as condições insalubres em que vive boa parte da população ameaçam agravar a epidemia na maior economia da América Latina.