Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.420,64
    +1.795,15 (+3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Coronavírus chega pela primeira vez à Nova Caledônia

·1 minuto de leitura
Transeuntes na Baía de Limões, em Noumea, em 7 de março de 2021, após a passagem do ciclone tropical Niran

A Nova Caledônia, um território francês no Pacífico Sul, detectou neste domingo (7) seus primeiros nove casos de covid-19, o que provocou o decreto de um confinamento estrito de duas semanas.

As infecções foram identificadas durante investigações realizadas depois que um primeiro caso foi detectado ontem em Wallis e Futuna, outro arquipélago francês localizado 2.200 quilômetros a leste da Nova Caledônia.

Até agora, ambos os territórios eram um dos poucos no mundo onde nenhum caso de covid havia sido registrado, já que quarentenas obrigatórias eram decretadas especialmente para todos os viajantes que chegavam.

Apenas casos importados da doença foram relatados.

As autoridades não sabem como o vírus chegou a Wallis e Futuna, que mantém uma bolha de saúde de livre circulação como a Nova Caledônia.

De acordo com o chefe do governo local, Thierry Santa, o caso detectado no arquipélago vizinho teria desenvolvido sintomas em meados de fevereiro após se infectar no final de janeiro.

"Trata-se de uma pessoa que saiu da quarentena há várias semanas depois de um teste negativo. Essa pessoa consultou um médico quando teve sintomas e deu positivo, o que significa que o vírus circula na ilha", disse à AFP Hervé Jonathan, representante do Estado francês em Wallis e Futuna.

Santa pediu a todas as pessoas que retornaram deste território à Nova Caledônia desde 25 de janeiro que se isolassem e ligassem para o número de emergência para se identificarem.

Ele também anunciou "um confinamento estrito da população a partir da noite de segunda-feira por duas semanas (...) para interromper a transmissão do vírus."

cw/shu/fio/tjc/mb/mr