Mercado abrirá em 3 h 3 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    +0,26 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.700,10
    +22,10 (+1,32%)
     
  • BTC-USD

    54.106,47
    +4.356,73 (+8,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,72
    +67,51 (+6,59%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.744,25
    +25,12 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.562,75
    +265,50 (+2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Corinthians negocia venda do nome de seu CT

Jorge Nicola
·1 minuto de leitura
Centro de treinamento do Corinthians pode ter nome do BMG (Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)
Centro de treinamento do Corinthians pode ter nome do BMG (Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

O Corinthians espera anunciar nos próximos dias a venda dos naming rights de seu centro de treinamento para o Banco BMG. A negociação faz parte de um pacote de contrapartidas que o Timão tem oferecido ao parceiro para não perder os R$ 12 milhões por temporada.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Vale lembrar que o Corinthians anunciou nesta segunda-feira um novo patrocinador máster: a Neo Química. Por causa deste acordo, o BMG perdeu seu espaço no peito do uniforme e foi deslocado para o omoplata. A Neo Química vai pagar entre R$ 18 milhões e R$ 28 milhões por temporada.

Leia também:

A intenção do departamento de marketing alvinegro a partir daí foi criar benefícios para que o BMG permanecesse no clube bancando os mesmos R$ 12 milhões, apesar de não estar mais com o espaço nobre do uniforme. Logo de cara, o Timão ofereceu uma propriedade na camisa do time feminino.

O vínculo também foi prorrogado em um ano e só termina agora em 2026. A última contrapartida pode ser a cessão temporária do nome do centro de treinamento onde treinam os profissionais e as categorias de base. Tudo isso, inclusive, já vem sendo debatido desde o ano passado pelo ex-presidente Andrés Sanchez.

Tudo para contar com a maior fonte de receitas possível, a fim de equilibrar os cofres alvinegros, bastante desfalcados especialmente por causa dos efeitos da pandemia da Covid-19.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos