Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.327,27
    +70,77 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Corinthians deixa de pagar R$ 8 milhões de IPTU por causa do Google Earth

·2 min de leitura
Corinthians deixou de pagar R$ 8 milhões em pagamentos atrasado de IPTU por causa do Google Earth. Foto: Reprodução/Parque São Jorge/Cida Souza
Corinthians deixou de pagar R$ 8 milhões em pagamentos atrasado de IPTU por causa do Google Earth. Foto: Reprodução/Parque São Jorge/Cida Souza
  • A Justiça de São Paulo ficou a favor do Corinthians em uma disputa contra a prefeitura que envolve pagamentos atrasados de IPTU avaliados em R$ 8,2 milhões;

  • O juiz da 10ª Vara da Fazenda Pública afirmou que entre os diversos problemas na correção cadastral efetuada pelo município o principal estava no uso do Google Earth para a medição das dimensões do Parque São Jorge;

  • A prefeitura alega que a área total do Parque São Jorge seria de 173.200 m², e não 158.170 m³, como apresenta o clube.

A briga entre o Sport Club Corinthians Paulista e a prefeitura de São Paulo por causa de pagamentos atrasados de IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) avaliados em R$ 8,2 milhões terminou a favor do time de futebol.

Um dos motivos determinantes para a decisão teria sido que a prefeitura usou de ferramentas da plataforma Google Earth para medir a área da sede social do clube, o Parque São Jorge, e justificar a cobrança do tributo.

Segundo o juiz da 10ª Vara da Fazenda Pública, Otavio Tokuda, esse teria sido o principal motivo, entre os diversos problemas na correção cadastral efetuada pelo município, para a decisão a favor do time paulista.

Leia também:

O magistrado afirmou na decisão que "não houve um cuidado mais detalhado do Município para averiguar adequadamente a situação fática do imóvel, o que justifica a necessidade de se evitar atos expropriatórios até o esclarecimento da questão".

Desse modo, o Corinthians conseguiu a tutela provisória de urgência para suspender o valor do IPTU referente ao exercício do espaço em 2013.

O clube provou que o município tentou acabar com a isenção do pagamento do imposto depois de concluir, por análise via Google Earth, que o desenho do Parque São Jorge necessitaria de atualização.

A prefeitura apresentou uma área total de 173.200 m² para o espaço, contradizendo a informação do Corinthians, de que a sede teria 158.170 m³. Em resposta, o clube apresentou uma planta atualizada da propriedade, de junho de 2021.

Depois da decisão a favor do time, o município apresentou contestação e alegou que a fiscalização foi realizada "apenas com mera constatação preliminar com base no Google, mas também vistoria no local devidamente acompanhada por representante do município".

Segundo a prefeitura, o Corinthians não apresentou requisitos legais para ter a isenção do IPTU, pedindo o fim do processo sem resolução do mérito.

*As informações são do portal UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos