Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,71
    +0,51 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.823,10
    +9,10 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    29.921,73
    -976,17 (-3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    670,32
    +427,64 (+176,22%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.543,24
    -3,81 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.289,25
    +44,50 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2632
    -0,0173 (-0,33%)
     

Coreia do Norte tem 187 mil casos suspeitos de covid após confirmar 1ª infecção

Nesta semana, a Coreia do Norte confirmou oficialmente o seu primeiro caso da covid-19 desde o início da pandemia. Agora, cerca de 187 mil casos suspeitos da infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2. Segundo a imprensa local, estas pessoas estão isoladas e apresentaram febre.

A variante responsável pelo surto é a Ômicron — mas não se sabe se é a versão original (BA.1) ou uma de suas subvariantes, como a BA.2. A situação é potencialmente grave, já que a população norte-coreana não está imunizada contra a covid-19.

Em surto da covid na Coreia do Norte, mais de 187 mil pessoas são consideradas como casos suspeitos da infecção (Imagem: Vladimirzotov/Envato Elements)
Em surto da covid na Coreia do Norte, mais de 187 mil pessoas são consideradas como casos suspeitos da infecção (Imagem: Vladimirzotov/Envato Elements)

Surto de casos da covid na Coreia do Norte

De acordo com agência de notícias estatal KCNA, seis pessoas morreram em decorrência da covid-19 nesta semana na Coreia do Norte. Entre os sintomas, as pessoas apresentaram febre. Posteriormente, foi confirmado que estavam infectadas pela variante Ômicron.

No atual cenário, o país enfrenta um surto de casos da covid-19, e, aparentemente, o epicentro é a capital Pyongyang, com 187 mil casos suspeitos. No entanto, o vírus já se espalha para outras regiões. "Uma febre, cuja causa não pôde ser identificada, se espalhou explosivamente por todo o país a partir do final de abril", relatou a KCNA.

Diante dos últimos acontecimentos, o líder Kim Jong-un foi visto pela primeira vez usando uma máscara de proteção contra a covid-19 em um pronunciamento da TV estatal. Ele classificou a situação como uma "grave emergência nacional".

População está sem vacina

Segundo a BBC, especialistas apontam que a população de 25 milhões é bastante vulnerável devido à falta de um programa de vacinação e aos cuidados de saúde precários disponíveis na Coreia do Norte. Neste cenário, a chegada da Ômicron — a cepa considerada mais transmissível até este momento da pandemia — pode ser devastadora. O país está em lockdown.

O aumento de possíveis casos indica que o vírus está se espalhando e, sem a população vacinada, o número de casos graves deve ser alto, como foi observado na maioria dos países, enquanto os imunizantes estavam em processo de desenvolvimento.

Nos últimos meses, o país rejeitou doações de vacinas, incluindo projetos que visavam distribuir de forma mais igualitária imunizantes, como o COVAX Facility. Foram oferecidas doses da Covishield (AstraZeneca/Oxford) e da CoronaVac (Sinovac), ambas foram amplamente adotas no Brasil, por exemplo.

Em resposta a potencial crise de saúde, o governo da Coreia do Sul ofereceu, novamente, assistência humanitária para o país vizinho. Até o momento, as autoridades de Pyongyang não aceitaram a ajuda.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos