Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.347,65
    +92,41 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Coração de mergulhadores pode chegar a apenas 11 BPM; entenda o motivo

·2 minuto de leitura

Você acredita que alguns mergulhadores livres (ou seja, aqueles que mergulham sem o auxílio de equipamento respiratório) podem sobreviver a níveis de oxigênio no cérebro mais baixos do que os encontrados em focas? Pois é justamente isso que aponta um novo estudo liderado pela Mid Sweden University (Suécia). O grupo também descobriu que os batimentos cardíacos dos mergulhadores podem chegar até 11 batimentos por minuto.

Segundo o estudo, os mergulhadores podem prender a respiração por mais de 4 minutos e descer a mais de 100 metros pelas profundidades do oceano, o que prejudica a capacidade do corpo de bombear oxigênio sanguíneo para o cérebro. Se não chegar oxigênio suficiente ao cérebro, os mergulhadores correm o risco de perder a consciência.

Os autores do artigo contam que as pesquisas foram feitas durante mergulhos simulados em laboratório. Para entender como esse feito extremo afeta o corpo humano, a equipe adaptou um dispositivo biomédico para suportar as pressões extremas do oceano. O dispositivo normalmente é usado para medir a função cerebral, e dispara dois comprimentos de onda diferentes de luz de LEDs na testa dos mergulhadores para medir a frequência cardíaca e os níveis de oxigênio no sangue e no cérebro. Nos estudos, o teste funcionou em profundidades de pelo menos 107 metros.

(Imagem: Ibrahim Razzan/Unsplash)
(Imagem: Ibrahim Razzan/Unsplash)

Os pesquisadores descobriram que os mergulhadores livres que alcançaram essas profundidades tinham níveis de oxigênio no cérebro que caíram para níveis mais baixos do que os encontrados nas focas. Alguns caíram até 25%. O que acontece é que os níveis de oxigênio no cérebro ficam em torno de 98% e, se caírem para menos de 50%, uma pessoa pode perder a consciência, de acordo com a declaração.

"Além das respostas fisiológicas excepcionais que os mergulhadores livres apresentam e os extremos que podem tolerar, eles podem ser um grupo fisiológico muito informativo. Suas reações fisiológicas são únicas e as condições às quais eles estão expostos não são facilmente replicadas, então eles oferecem uma maneira sin de entender como o corpo responde ao baixo oxigênio no sangue, baixa oxigenação do cérebro e severa supressão cardiovascular", afirmam os pesquisadores. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos