Mercado fechará em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    109.152,16
    -1.634,27 (-1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,52
    -0,90 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.783,40
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    65.459,70
    +1.059,81 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.549,94
    +15,29 (+1,00%)
     
  • S&P500

    4.527,40
    -8,79 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    35.503,02
    -106,32 (-0,30%)
     
  • FTSE

    7.191,87
    -31,23 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.359,50
    -18,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5630
    +0,0434 (+0,67%)
     

BC divide analistas ao manter dose e apontar juro contracionista

·6 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Central confirmou as expectativas e elevou a Selic em 1pp, para 6,25%, além de indicar que pretende manter o ritmo de aperto na próxima reunião.

Most Read from Bloomberg

A decisão veio em linha com o esperado depois da sinalização dada por Roberto Campos Neto de que não iria acelerar o movimento. Entretanto, os analistas estão divididos sobre a indicação emitida pela autoridade monetária.

De um lado, alguns leram o comunicado como dovish, porque o BC não indicou aceleração do ritmo de alta da Selic. Para outros, o Copom foi hawkish ao afirmar que o ciclo de aperto deve avançar no “território contracionista”, sinalizando que não há restrição para a taxa de juro final.

Os analistas destacaram ainda a intenção do Copom de ganhar tempo para avaliar a conjuntura e o impacto dos choques.

No comunicado, o Copom enfatizou que os passos futuros poderão ser ajustados, mas que no atual estágio do ciclo, o ritmo de ajuste é o “mais adequado” para assegurar o cumprimento da meta de inflação e, ao mesmo tempo, permitir que o comitê “obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques”.

A projeção para o IPCA em 2022 subiu de 3,5% para 3,7% no cenário básico.

Veja o que dizem os analistas:

Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú

  • As autoridades sinalizaram que farão outro aumento da mesma magnitude na reunião de outubro, mas indicaram que podem considerar um ritmo mais lento na última reunião do ano, em dezembro

  • “Por ora, projetamos que a Selic encerrará 2021 em 8,25% a.a., mas, caso a evolução da inflação permita, o comitê pode realizar uma alta menos intensa”

Caio Megale, economista-chefe da XP

  • Copom afirmou que Selic deve “avançar no território contracionista”, sugerindo que vê agora a necessidade de uma política monetária mais apertada

Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs

  • Há alguma chance de que BC acelere ritmo caso inflação persista e suba nos próximos meses

  • “Copom vê atual ritmo de aperto como adequado para levar a inflação à meta e, simultaneamente, reunir mais informações e dados sobre o estado geral da economia e o grau de persistência dos choques inflacionários”

  • Cenário externo para emergentes é visto como mais arriscado, com redução de crescimento da China e aperto nas condições financeiras devido às recentes surpresas na inflação

Gustavo Pessoa, sócio fundador da Legacy Capital

  • “O fato de o BC ter citado o estágio atual do ciclo e ter limitado o ritmo para próxima reunião sinaliza que ele está preparando para reduzir o ritmo na última reunião do ano”

  • “Achei mais dove porque não há cenário para aceleração do ritmo”

  • “Acreditamos que o BC entregara +100bps na próxima e +50bps na seguinte”

Luiz Fernando Figueiredo, sócio fundador da Mauá Capital, ex-diretor do BC

  • BC ganha tempo de ter mais informações para a política monetária

  • “Me parece que Selic acima de 8,5% não é o plano de voo do BC; acima disso jogaria a inflação muito abaixo da meta”

  • “BC considera um pouco mais de risco para crescimento global e para países emergentes, mas não como cenário básico”

Marcela Rocha, economista-chefe da Claritas

  • “Copom mostra que acha esse ritmo adequado, mas precisa de mais tempo para avaliar a economia e persistência dos choques”

  • “BC enfatiza que os próximos passos podem mudar se necessário e indica que o ciclo vai para terreno contracionista. Entendemos que a Selic vai chegar no mínimo em 8,5%”

  • “O BC não quer acelerar agora e precisa ganhar tempo, mas mesmo querendo ganhar tempo o BC mostrou que não vai deixar de subir mais se for necessário”

Gustavo Brotto, CIO da Greenbay Investimentos

  • Estratégia do BC visa acumular mais dados para avaliar os efeitos cumulativos do aperto monetário sobre a atividade econômica e a persistência dos choques inflacionários recentes

  • Curva de juros deve sofrer poucas alterações em função da decisão

  • BC vê nova alta de 1 pp na próxima reunião

  • Selic terminal de 8,5% é compatível com a inflação desacelerando para perto da meta em 2022 e 2023

Carlos Menezes, gestor da Gauss Capital

  • “BC não quer acelerar o ritmo além de 1pp, mas deverá elevar Selic até onde for necessário para controlar expectativa”

  • Tom foi “hawk” dado que a projeção de inflação para 2022 foi revisada para 3,7% e diante do peso que o BC deu para 2023, ainda em grau baixo

  • BC não se mostrou preocupado com revisões de atividade e entende como necessário avançar no território contracionista

  • “Ele foi claro que deverá elevar acima do neutro, provavelmente acima dos 8,5%”

  • “Não tem restrição de taxa final”

Alfredo Menezes, gestor da Armor Capital

  • BC foi dovish e deixou claro que a próxima alta deve ser de 100bps

  • “Esperava a porta mais aberta”

  • Declaração do BC de possível queda de commodities foi “muito dovish”

  • Normalmente, no Brasil, queda de commodities vem acompanhada de depreciação cambial

Rodrigo Cruz, sócio e gestor de renda fixa e moedas da Meraki

  • “BC agiu certo em subir em 100bps nessa reunião. É um ritmo já forte e endereça a situação que a gente está vendo de ruídos fiscais e inflação corrente alta”

  • “Esperava uma mensagem um pouco mais forte do BC; ele tem 3,7% de inflação para 2022, já indica, nos próprios modelos dele, uma desancoragem da inflação para o ano que vem”

  • “BC parece sinalizar que 8,5% é um pouco de teto para a Selic agora”

Vladimir do Vale, estrategista-chefe da CA Indosuez

  • “Tom foi adequado, BC claramente reconheceu os riscos inflacionários”

  • Alta de 100 pontos vai dar tempo ao BC de avaliar o quadro e isso é uma vantagem em se fazer um ajuste menor

  • BC mostra determinação em continuar elevando juro gradualmente

Sergio Goldenstein, estrategista-chefe da Renascença

  • Vê “algum grau de incerteza” do comitê com relação à solidez da atividade

  • Pequeno aumento da projeção de inflação para 2022, de 3,5% para 3,7%, apesar da piora da Focus e da maior inércia inflacionária para o ano que vem, pode sugerir perspectiva de fechamento mais lento do hiato do produto

  • Estimativa de inflação para 2023 permaneceu em linha com a meta, o que abre espaço para o ciclo ser encerrado com a Selic em torno de 8,25%/8,50%

Thais Zara, economista sênior da LCA Consultores

  • “Decisão foi neutra. Apesar de não ter intensificado o ritmo, BC sinalizou que não tem limitações quanto ao patamar em que a Selic pode chegar, ao indicar ser apropriado que o ciclo de aperto monetário avance no território contracionista”

  • Copom reconheceu possibilidade de que cenário externo se torne mais desafiador

  • LCA vê mais duas altas de 1 pp em 2021 e uma derradeira de 0,5 pp no início de 2022, para 8,75%

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados

  • Sinalização é de que BC, de fato, vai ser mais suave na alta de juros, por considerar que parte do choque atual possa ser revertido

  • BC claramente coloca uma aposta que as commodities vão ajudar a arrefecer a inflação, mas talvez esteja mais otimista do que deveria

  • “Ficará a dúvida se BC não precisaria ser mais agressivo agora, e não suave”

João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos

  • “Esperava um Copom mais hawkish. O Copom nomeou os principais choques que estão pressionando a inflação, mas faltou destacar os efeitos secundários, especialmente sobre o índice de difusão, que demonstra que a pressão inflacionária já atinge muitos setores da economia”

  • “Ampla pressão de preços pode resultar em uma inflação ainda mais persistente e que ameaça desancorar as expectativas de 2022”

(Inclui análise de Itaú, XP)

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos