Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    29.002,42
    +232,16 (+0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Copom deve subir Selic para 12,75% e manter a porta aberta

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O Copom deve elevar a Selic em 1 ponto percentual na quarta-feira, para 12,75% como já sinalizado, e manter a porta aberta a novo aperto, segundo economistas de grandes bancos.

Eles apontam a alta da inflação, que passou de 12% anuais, e a piora das expectativas como os principais pontos para que o BC não sinalize o fim do ciclo de alta -- mesmo que o próximo ajuste seja em ritmo mais lento.

O comportamento das commodities com a guerra na Ucrânia, a queda do dólar, o aumento dos juros pelo Fed -- que se reúne no mesmo dia -- e o surto de Covid na China também são fatores a serem observados pelo Copom.

Na decisão anterior, o BC previa o cenário de referência com dólar a R$ 5,05 e outro alternativo e mais provável com petróleo a US$ 100,00 no fim do ano, o que levaria a inflação à meta em 2023.

O dólar chegou a cair abaixo de R$ 4,60 no mês passado e a commodity já voltou para perto do valor apontado pelo BC, o que não aliviou as expectativas de inflação.

Para a reunião de junho, a curva de juros precifica alta de 50 pontos básicos. As opções para o Copom na B3 apontam 28,5% de probabilidade de manutenção da Selic no próximo mês.

Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú

  • Copom deve indicar um ajuste adicional moderado para sua próxima reunião, mas manter a flexibilidade, reafirmando que os riscos são predominantemente altistas para a inflação e que suas próximas decisões são condicionais à evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária

  • Comitê deve enfatizar que, em ambiente de elevada incerteza, os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas

  • BC deve aumentar a taxa Selic em 1pp e sua comunicação deve destacar a situação de elevada incerteza internacional, em meio ao conflito entre Rússia e Ucrânia, o surto de Covid-19 na China, e maior inflação e taxas de juros nos países desenvolvidos

Fernando Honorato, economista-chefe do Bradesco

  • BC deve elevar a Selic para 12,75%, conforme sinalizado, e não deve se comprometer com os passos futuros, deixando a porta aberta para tomar a decisão a partir dos dados e da evolução da inflação que serão conhecidos até a próxima reunião do Copom

  • “Por ora, mantemos nossa expectativa de taxa terminal em 12,75%”

Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira, economistas do JPMorgan

  • Copom deve subir o juro em 1 pp e manter a porta aberta para apertos adicionais, embora em um ritmo menos acelerado

  • BC deve revisar o cenário de inflação para cima

  • Dada a desancoragem da expectativa inflacionária e da inflação elevada e disseminada - banco espera que a inflação termine este ano em 8% -, “parece apropriado continuar com o ciclo de aperto”

  • BC deve evitar compromisso com fim do ciclo, ganhando tempo para calibrar a política monetária

Solange Srour, Lucas Vilela, Rafael Castilho, economistas do Credit Suisse

  • BC deve indicar a possibilidade de um aumento adicional em junho, mas inferior a 1 pp

  • Será muito desafiador para o BC manter a mensagem de que pretendem encerrar o ciclo em maio em um momento em que estão revisando para cima suas projeções de inflação, as expectativas de inflação estão se afastando das metas até 2024 e a inflação corrente já é pior do que o nível observado em 2015-2016

  • Credit prevê Selic de 14,0% no fim do ciclo

  • Caso busque passar a sinalização de fim do ciclo, BC poderia enfatizar que a política monetária tem efeito defasado e que o recente aperto deve ter um impacto mais forte sobre a inflação nos próximos meses

  • Credit Suisse prefere, no entanto, que o BC tenha uma abordagem mais dependente de dados e com menos sinalizações, diante das incertezas

Alberto Ramos, do Goldman Sachs

  • BC deve elevar Selic para 12,75% nesta reunião e manter a porta aberta a uma alta menor em junho devido ao cenário muito desafiador para a inflação corrente e prospectiva, além da deterioração das expectativas

  • Banco ainda cita intensas pressões inflacionárias de custos e tendência estrutural altista das commodities

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos