Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,07
    -0,21 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.710,20
    -5,60 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    50.417,21
    +2.226,71 (+4,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,50
    +20,40 (+2,06%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.246,07
    -313,03 (-1,06%)
     
  • NASDAQ

    12.617,50
    -64,25 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7759
    -0,0028 (-0,04%)
     

Copel afirma que sofreu ataques cibernéticos em alguns servidores

·1 minuto de leitura
Linhas de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal paranaense de energia elétrica Copel foi alvo de ataques cibernéticos, o que gerou indisponibilidade em alguns sistemas da companhia, que ainda buscava retomar a normalidade na noite de segunda-feira.

"Os sistemas de operação e proteção detectaram os ataques e, imediatamente, a companhia seguiu os protocolos de segurança, inclusive com a suspensão do funcionamento de seu ambiente informatizado para proteger a integridade das informações", disse a empresa em comunicado.

O ataque foi registrado na segunda-feira e atingiu alguns servidores, acrescentou a Copel, ainda de acordo com o comunicado, que foi enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite do mesmo dia.

"A avaliação completa do ocorrido está em curso e a companhia está tomando providências necessárias para restabelecer a normalidade", afirmou.

A Copel destacou, no entanto, que seus sistemas se mantiveram íntegros e que "serviços de fornecimento de energia elétrica e de telecomunicações seguem funcionando normalmente".

Com o incidente, a Copel soma-se a outras empresas de energia elétrica que sofreram com invasões ou tentativas de ataques de hackers no Brasil desde meados de 2020, como Energisa e Light, conforme publicado pela Reuters em julho passado.

Segundo especialistas, a pandemia de coronavírus tem ajudado a impulsionar esses ataques, uma vez que regimes de trabalho remoto de funcionários muitas vezes aumentam a exposição dos sistemas e redes aos cibercriminosos.

A Copel disse que "as autoridades competentes estão acompanhando o caso" sobre o ataque à companhia.

(Por Luciano Costa)