Mercado abrirá em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,60
    -1,37 (-1,90%)
     
  • OURO

    1.756,90
    +5,50 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    44.273,95
    -3.595,56 (-7,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,54
    -122,99 (-10,04%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.851,33
    -112,31 (-1,61%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.157,75
    -168,25 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1860
    -0,0134 (-0,22%)
     

Coordenador de segurança do presidente assassinado é preso no Haiti

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Funeral do presidente assassinado do Haiti, Jovenel Moise

A Polícia Nacional do Haiti anunciou nesta segunda-feira a prisão do coordenador de segurança do presidente Jovenel Moise, dentro da investigação do assassinato do chefe de Estado, ocorrido este mês.

O comissário Jean Laguel Civil está preso na cidade de Delmas. Ele é suspeito de envolvimento no complô que levou à morte de Moise em sua residência pelas mãos de um comando armado. "Confirmo que Civil foi detido hoje pela polícia,como parte da investigação sobre o assassinato", disse à AFP a porta-voz da polícia, Marie Michelle Verrier.

O comissário do governo de Porto Príncipe, Bed-Ford Claude, já havia pedido aos serviços de migração que proibissem quatro agentes da polícia nacional haitiana, responsáveis pela segurança do presidente assassinado, de deixar o país. Além de Civil, tratam-se do comissário Dimitri Hérard, chefe da Unidade de Segurança Geral do Palácio Nacional (USGPN); o comissário Léandre Pierre Osman, chefe da Unidade de Segurança Presidencial (USP); e o inspetor-chefe Amazan Paul Eddy, chefe da unidade de elite responsável por proteger o presidente.

Também no âmbito da investigação do magnicídio, a polícia emitiu hoje um aviso de busca contra Wendelle Coq Thélot, juiz do Tribunal de Cassação, máxima instância judicial do país. Ele havia sido destituído por Moise.

O novo primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, prometeu levar os assassinos do presidente à Justiça. Até o momento, a polícia haitiana prendeu cerca de 20 mercenários, a maioria colombianos, e afirma ter descoberto um complô organizado por um grupo de haitianos que possuem ligações com o exterior, mas muitas perguntas permanecem sem resposta.

tr/seb/led/yow/lm/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos