Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.967,43
    -697,69 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Conversas com Congresso e STF para resolver precatórios serão retomadas, diz Guedes

·3 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) -Conversas com o Supremo Tribunal Federal (STF) e os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado serão retomadas a partir de segunda-feira para resolver o problema dos precatórios no Orçamento do ano que vem, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ao falar em evento promovido pelo Credit Suisse, Guedes sinalizou que essa é a prioridade do governo no momento e que a declaração do presidente Jair Bolsonaro na véspera na direção de pacificação com os Poderes "colocou tudo de volta aos trilhos".

"Primeira (prioridade) é o meteoro, é o precatório, a bomba judiciária. Vamos falar com o STF, com o Congresso, imediatamente na segunda-feira", disse Guedes.

Durante as celebrações de 7 de Setembro, Bolsonaro chegou a chamar o ministro do STF Alexandre de Moraes de "canalha", ameaçando ainda não cumprir decisões da corte. No meio político, suas falas desencadearam conversas mais concretas sobre a possibilidade de impeachment, ao mesmo tempo em que inflamaram caminhoneiros a paralisarem rodovias pelo país.

Guedes, defendeu nesta sexta-feira que Bolsonaro transpassou seu território com palavras, mas nunca com ações.

"Sempre quando um ator específico, sendo um ministro do STF, o presidente em pessoa, quando alguém transpassa seu território, as outras instituições aparecem e ... colocam os transgressores de volta às quatro linhas", disse ele.

"Somos seres humanos, cometemos erros, algumas vezes transpassamos nosso território, mas o importante é que temos instituições em evolução."

Na avaliação do ministro, a declaração pública de Bolsonaro na véspera deixou claro que ele não estava conclamando movimento contra o STF.

Guedes destacou que o governo precisa de previsibilidade e capacidade de execução orçamentária e que, por isso, será necessário encontrar uma saída para a conta de 89,1 bilhões de reais em precatórios em 2022.

Como são gastos de caráter obrigatório, essas despesas com derrotas definitivas sofridas pela União na Justiça acabam retirando espaço, sob a regra do teto, para outros gastos do governo, incluindo a almejada expansão do Bolsa Família.

TETO DE GASTOS

"Confio que acharemos solução que vai respeitar execução das ordens judiciais, mas vai respeitar o teto de gastos, com ajuda do Congresso e do Judiciário", disse Guedes.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do governo divide em dez parcelas o pagamento dos precatórios de mais de 66 milhões de reais e impõe uma limitação provisória dos pagamentos anuais de precatórios a 2,6% da receita corrente líquida, o que também sujeitará precatórios entre 66 mil reais e 66 milhões de reais a eventual parcelamento. Pelo texto, os precatórios de até 66 mil reais serão integralmente quitados.

Com a benção de Guedes, a equipe econômica também estava contando com a chamada solução CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para o problema dos precatórios. Alinhavada com o STF, a ideia era limitar o crescimento dessas despesas pela regra do teto de gastos através de uma regulamentação do CNJ.

Após lidar com o desafio dos precatórios, o governo dará foco à reforma tributária, sublinhou Guedes, expressando confiança na aprovação pelo Senado das mudanças no Imposto de Renda que já receberam sinal verde na Câmara, incluindo a tributação sobre dividendos e a redução da carga tributária sobre as empresas.

De acordo com o ministro, se a arrecadação tributária subir mais, o governo diminuirá mais impostos.

(Por Marcela Ayres; Edição de José de Castro e Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos