Mercado fechará em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    130.082,01
    -125,95 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,54
    -160,00 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,07
    +1,19 (+1,68%)
     
  • OURO

    1.858,70
    -7,20 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    41.205,98
    +1.073,19 (+2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.023,52
    +12,91 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.249,24
    -5,91 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.331,41
    -62,34 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.055,25
    -69,50 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1308
    -0,0007 (-0,01%)
     

Controversa rede social Parler volta a App Store após 5 meses de restrição

·2 minuto de leitura

Nesta segunda-feira (17), o Parler volta a ficar disponível na App Store. A controversa rede social construída sobre o conceito da preservação absoluta da liberdade de expressão retorna à loja de apps da Apple um mês após a liberação da companhia.

Em janeiro, a fatídica invasão ao Capitólio dos Estados Unidos voltou a atenção para as plataformas que poderiam ter servido para articular o movimento — o Parler era uma das suspeitas. Criada como uma alternativa"contra uma suposta censura das principais rivais, a rede social foi acusada de ser um recinto para os grupos extremistas envolvidos no evento e por não ter medidas eficientes para conter a disseminação de discurso de ódio.

Cientes do problema, Apple e Google agiram para retirar o aplicativo de suas lojas de apps. A mesma deficiência também implicou na quebra do contrato com a AWS, serviço de hospedagem da Amazon, o que deixou a rede fora do ar por semanas até conseguir um serviço substituto.

Acatando ordens

A mais recente atualização do app inclui “melhores ferramentas para denúncia de ameaças e assédio”, correção de bugs e aprimoramento de estabilidade. Como as ferramentas funcionam ainda não está claro, contudo, de acordo com o Washington Post, é regida por inteligência artificial e com restrições exclusivas para iGadgets.

Segundo o veículo, publicações categorizadas pela inteligência artificial como “discurso de ódio” são inacessíveis a partir de dispositivos Apple. Usuários de PC, por sua vez, ainda poderão ver o conteúdo ao clicar na publicação.

“No Parler nós respeitamos a Primeira Emenda [da Constituição dos Estados Unidos], isso significa que a liberdade de expressão é garantida”, disse a diretora de políticas do Parler Amy Peikoff ao Washington Post. Portanto, a medida parece atender à exigência da Apple de forma categórica, impedindo que conteúdo nocivo apareça apenas em iPhones ou iPads.

Um truque antigo

Essa estratégia, por sua vez, não é inédita. O Discord, plataforma conhecida no meio gamer, estabeleceu a restrição de comunidades destinadas ao público adulto através de dispositivos Apple. A companhia não se manifestou sobre as causas da proibição, mas suspeita-se que foi um meio de evitar problemas com as normas da App Store.

Do lado Android, não se sabe se medidas semelhantes serão adotadas, tampouco se serão suficientes para convencer o Google. O Parler continua com download indisponível a partir da Play Store, mas o app pode ser baixado por meios alternativos.

O conteúdo nocivo ainda existe e, de acordo com o posicionamento de executivos da plataforma, deve continuar circulando na rede social. A Apple ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: