Mercado abrirá em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,99
    +1,42 (+2,17%)
     
  • OURO

    1.771,30
    -13,00 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    56.653,46
    -438,23 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.445,92
    -23,16 (-1,58%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.126,32
    -42,36 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.934,25
    +64,50 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

Controlar inflação em mercados emergentes pode ser difícil

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- Apesar de várias autoridades da Europa Central e Oriental terem iniciado ciclos de aperto monetário, as medidas ainda não surtiram efeito, pelo menos se os juros reais servirem de referência. Isso pode pesar sobre as moedas da região à medida que os países desenvolvidos começarem a normalizar a política monetária.

Most Read from Bloomberg

Na República Tcheca e Romênia, os preços subiram acima das expectativas de economistas em outubro, segundo dados divulgados na quarta-feira, o que empurrou as taxas reais ainda mais em território negativo. E não são os únicos países na região com juros reais abaixo de zero.

Essas taxas reais negativas mostram que os bancos centrais podem ter que apertar ainda mais a política monetária para causar um impacto sobre a inflação. Mas normalizar a política não será fácil. Os déficits fiscais têm aumentado na região, as economias ainda se recuperam do golpe da Covid e as pressões salariais crescem em meio à falta de mão de obra.

Com eleições na Hungria e, posteriormente, na Polônia, a disciplina fiscal se torna menos apetitosa. Além disso, os enormes estímulos injetados na economia da União Europeia completam a receita para uma inflação alta e sustentada.

Outros mercados emergentes também enviam sinais de perigo. Os preços ao consumidor e para produtores da China superaram as expectativas de analistas em outubro, enquanto no Brasil o IPCA também subiu acima do esperado.

Investidores têm se concentrado na inflação de mercados desenvolvidos, mas devem se precaver para não perder de vista as pressões de preços não tão transitórias em mercados emergentes.

Nota: Este foi um post do blog Markets Live da Bloomberg. As observações são do blogueiro e não pretendem ser um conselho de investimento.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos