Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.786,66
    +1.408,20 (+4,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Contribuinte tentará driblar mudanças, e ganho com dividendo será menor, prevê fisco

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em pouco mais de duas semanas, o governo reduziu suas estimativas para a arrecadação com lucros e dividendos na proposta de reforma tributária, cuja segunda etapa prevê mudanças no Imposto de Renda, e agora considera que o contribuinte tentará driblar a nova regra.

A previsão de arrecadação com distribuição de lucros e dividendos teve uma queda considerável em comparação com a que estava previsto na entrega do projeto. Pelo texto divulgado nesta segunda (12), a Receita conta com uma alteração no comportamento do contribuinte e a menor distribuição de lucros e dividendos.

A cobrança de imposto sobre lucros e dividendos é uma das principais fontes de embate entre a pasta do ministro Paulo Guedes, empresários e representantes do mercado financeiros. Pela proposta do governo, haverá redução do IR de empresas em 2,5 pontos percentuais por dois anos e será colocada a taxação de 20% em lucros e dividendos.

A regra prevê isenção de IR sobre lucros e dividendos até o limite de R$ 20 mil por mês, o que beneficiaria empresas de menor porte. Há cerca de duas semanas, quando o texto da reforma foi entregue, ele fazia estimativas de arrecadação de R$ 18,5 bilhões no ano que vem, R$ 54,9 bilhões em 2023 e R$ 58,2 bilhões em 2024.

No novo texto, a Receita agora prevê uma arrecadação de dividendos para pessoas físicas residentes no país de R$ 10,6 bilhões no ano que vem, de R$ 32,2 bilhões em 2023 e de R$ 34,1 bilhões em 2024 e, respectivamente, de R$ 3,6 bilhões, R$ 11 bilhões e R$ 11,6 bilhões (para dividendos enviados ao exterior).

As previsões anteriores para 2022, 2023 e 2024 somavam R$ 131,6 bilhões -agora, a soma é de R$ 103,1 bilhões (-21,7%). "Foi adotado como premissa que a tributação dos dividendos provocará alteração no comportamento dos contribuintes, no sentido de reduzir o volume atualmente distribuído", diz o documento da Receita.

De acordo com o texto, não é possível estimar a magnitude da alteração na cobrança de dividendos no comportamento do contribuinte. Ainda assim, eles reconhecem que é preciso considerar que os contribuintes devem legalmente e racionalmente evitar a tributação.

Nesse sentido, o governo agora tenta refletir uma mudança de comportamento do contribuinte em suas novas estimativas e estima que as empresas pequenas irão reduzir muito a distribuição de dividendos, enquanto as grandes terão uma redução menor.

"É de esperar que, no limite, todo contribuinte que tiver disponibilidade financeira e/ou capacidade de se financiar com terceiros irá efetuar a distribuição do lucro acumulado passível de ser distribuído como dividendo ainda em 2021", diz também o texto.

"Estão considerando que os contribuintes, cientes da nova regra, se anteciparão e distribuirão mais dividendos em 2021, para evitar tributar dividendos acumulados em 2022, e mudarão suas regras de remuneração dos acionistas no futuro", diz o tributarista Breno Vasconcelos, sócio do escritório Mannrich e Vasconcelos.

Parte dos economistas defende a necessidade de taxação de dividendos, ao lembrar que o Brasil é um dos poucos países que ainda não cobram.

Guedes também argumenta que a tributação de dividendos é uma forma de reduzir os impostos pagos pelas empresas e por assalariados. "Não tem problema nenhum ser rico, não pode ter vergonha de ser rico. Tem de ter vergonha de não pagar imposto", disse o ministro na semana passada, ao defender que o imposto deve ser baixo para quem reinvestir na empresa.

"Isso eleva a carga sem contrapartida, torna o sistema tributário ainda mais complexo e desestimula os empresários a alocar recursos nas empresas", rebate Gilberto Luiz do Amaral, do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos