Mercado abrirá em 5 h 29 min
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,38
    +0,08 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.780,70
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    34.082,73
    +870,18 (+2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    817,55
    +30,93 (+3,93%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.125,36
    +15,39 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.296,02
    +413,56 (+1,43%)
     
  • NIKKEI

    29.066,18
    +190,95 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    14.351,00
    -3,25 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8696
    +0,0073 (+0,12%)
     

Contrato de trabalho de cabeleireiro com salão de beleza vai ao STF

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 10.09.2020 - Vista geral do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 10.09.2020 - Vista geral do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A relação de trabalho dos cabeleireiros sem contrato formal com salões de beleza chega ao STF. O tribunal julga uma ação de inconstitucionalidade da Lei do Salão Parceiro, que regulamenta o trabalho de profissionais autônomos de estética e beleza nos estabelecimentos do setor apenas com contratos de parceria.

O processo seria julgado nesta quinta (20), mas foi postergado.

O processo foi movido pela Contratuh (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade).

A Contratuh diz que a lei precariza o trabalho porque os funcionários ficam sem registro e direitos trabalhistas.

“Daqui a pouco, nós podemos ter mecânico parceiro, garçom parceiro. Todo mundo vira um microempreendedor individual. Estamos falando em acabar com a legislação trabalhista”, diz o advogado da entidade, Samuel Antunes.

Já a ABSB (Associação Brasileira de Salões de Beleza) afirma que a lei dá autonomia e permite que o profissional ganhe comissões maiores pelo trabalho —que podem chegar a 50%, segundo a entidade— do que se tivessem o registro CLT.

José Augusto Santos, presidente da ABSB, defende que a maioria dos profissionais do ramo são microempreendedores individuais e têm garantia da cobertura do INSS. ​Ele também questiona a representatividade da Contratuh para os trabalhadores de salões de beleza.

"Uma federação que não representa o total da nossa categoria está questionando a lei. Nesta ação do STF, só ela está fazendo isso", diz Santos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos