Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,61
    +0,49 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.856,40
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    39.991,13
    -85,52 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    991,84
    -18,77 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.548,56
    -89,97 (-0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.372,20
    -69,10 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    14.040,00
    +9,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1127
    -0,0052 (-0,08%)
     

Contra crise hídrica, deputados querem subsídio para geração própria de energia

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Membros da Comissão de Minas e Energia da Câmara querem destravar nos próximos dias a votação do projeto que cria regras para micro e minigeradores, como uso de energia solar para consumo próprio de empresas e residências.

Deputados argumentam que o incentivo a esses projetos de geração de energia pode desafogar a demanda do sistema elétrico diante do risco de racionamento ou apagão. Entre eles está Christino Áureo (PP-RJ), que é presidente da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento Sustentável do Petróleo e Energias Renováveis.

Entidades, como a que representa as empresas distribuidoras de energia, negam que essa proposta resolva o problema da crise hídrica e preveem aumento da conta de luz se o projeto for aprovado.

Hoje, há isenção para essas pequenas instalações de geração de energia. Mas o Ministério da Economia já chegou a defender o fim desses benefícios.

A versão mais atual da proposta, relatada pelo deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG), prevê apenas a retirada de parte dos subsídios a esses pequenos geradores de energia, que essencialmente são de luz solar.

O texto está na pauta do plenário da Câmara. Pelo formato mais recente, empresas e residências com esses geradores de energia não pagariam todos os custos do sistema elétrico -custos de distribuição e transmissão de energia nem encargos.

Os encargos são, por exemplo, cobranças que consumidores de energia pagam para ajudar na redução do custo a quem precisa, como população de baixa renda e rural.

Para o presidente da Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica), Marcos Madureira, o projeto a ser votado na Câmara pode gerar um impacto de R$ 130 bilhões nos próximos anos.

"Quando eles [microgeradores de energia] não assumem a totalidade dos custos, esses custos serão pagos pelos outros consumidores. Isso vai fazer que exista aumento das tarifas", disse Madureira.

O ponto de maior debate é que a manutenção dos subsídios ao setor de energia solar favorece especialmente grandes empresas, como bancos, telefônicas, redes varejistas e companhias do agronegócio, além de residências de população de alta renda, que têm recursos para instalar os painéis, segundo o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

"Quem tem geração distribuída [nome técnico dado a esses projetos de geração da própria energia] é quem tem condições de fazer um investimento maior", argumenta Clauber Leite, responsável pela área de energia do Idec.

Para o relator do projeto, a ampliação do uso da fonte solar faz com que o acionamento das usinas termelétricas, de geração mais cara, seja menos necessário nesse momento de crise.

"É uma grande opção. O projeto dá condições para mais pessoas terem acesso à energia solar", afirma Andrada.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), apoiada pelos ministérios de Minas e Energia e Economia, chegou a planejar um cronograma para pôr fim à isenção pelo uso da rede de transmissão.

A discussão, porém, foi barrada pelo governo, diante do discurso de que a proposta iria "taxar o sol". Isso representou uma derrota ao ministro Paulo Guedes (Economia), que é contra os subsídios a esse tipo de energia. Ele argumenta que apenas os mais ricos se beneficiam dos incentivos.

Em meio ao impasse, Andrada prevê o pagamento apenas de parte dos custos à distribuidora, chamado de Fio-B. Mas manteve a maior parte das isenções.

"O relatório do Lafayette equilibrou bastante essa discussão. Por isso, é positivo aprovar essa proposta. Esses projetos de microgeração [de energia] são rápidos para serem instalados e podem ajudar a diminuir a pressão sobre o sistema", disse Áureo, defensor da proposta para enfrentar a crise hídrica deste ano.

Ainda não há consenso na Câmara sobre o assunto, o que pode atrasar o plano de votar a proposta nos próximos dias.

A Abradee diz que, apesar de essas empresas e residências produzirem parte da energia usada, elas precisam da rede de energia para que os microgeradores funcionem. Sem a rede, o investimento para instalar a geração de energia solar poderia ser dez vezes maior. Por isso, essas instalações não deveriam ser isentas de cobranças, defende a entidade.

"Somos a favor da energia solar. Não somos a favor de subsídios que ficam de um consumidor para outro pagar", disse Madureira.