Mercado abrirá em 8 h 44 min
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,08 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,47 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,16
    +0,07 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.803,30
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    40.155,45
    +656,71 (+1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,65
    +12,75 (+1,31%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,55 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.206,75
    +2,06 (+0,01%)
     
  • NIKKEI

    27.811,37
    +83,27 (+0,30%)
     
  • NASDAQ

    15.168,25
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2057
    -0,0025 (-0,04%)
     

Contra COVID, Chile passa a usar 1ª dose da AstraZeneca e 2ª da Pfizer

·1 minuto de leitura

O que você acha de tomar a primeira dose da vacina contra COVID-19 da AstraZeneca e a segunda dose da Pfizer? É justamente essa a nova estratégia do Chile em sua campanha de vacinação, mais especificamente entre a população de homens com menos de 45 anos.

O que acontece é que, de acordo com estudos realizados no Reino Unido e na Espanha, é eficaz a administração de uma segunda dose com vacinas de RNA mensageiro, como é o caso da Pfizer/BioNTech, em pessoas que receberam a primeira dose da Oxford/AstraZeneca.

Esses estudos mostram também que, embora mais frequentes, as reações adversas à combinação da vacina AstraZeneca com a Pfizer não são graves e estão dentro do esperado: dores no local da injeção, febre e dores no corpo algumas horas após se vacinar. Já pesquisas recentes apontam que a combinação dos dois imunizantes produz fortes respostas imunes.

Chile passa a usar primeira dose da AstraZeneca e segunda da Pfizer (Imagem: Ivan Diaz/Unsplash)
Chile passa a usar primeira dose da AstraZeneca e segunda da Pfizer (Imagem: Ivan Diaz/Unsplash)

O Chile não é o primeiro a apostar nessa técnica de combinação de diferentes fabricantes, que vem sendo utilizada em países europeus, como França, Alemanha, Espanha, Suécia, Dinamarca e Noruega. No caso da França e da Alemanha, por exemplo, a recomendação é que os cidadãos com menos de 55 anos tomem a primeira dose de Oxford/AstraZeneca e a segunda dose com um imunizante diferente. A chanceler alemã Angela Merkel é uma das pessoas imunizadas com vacinas distintas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos