Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.952,64
    +23,86 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Contração da zona do euro se aprofunda em outubro e recessão é provável, diz PMI

Restaurante em Marburg, Alemanha

LONDRES (Reuters) - A atividade empresarial da zona do euro contraiu no mês passado no ritmo mais rápido desde o final de 2020, pois a alta inflação e os temores de uma crise energética afetaram a demanda, de acordo com uma pesquisa que sugere que o bloco está caminhando para uma recessão.

A inflação nos 19 países que usam o euro subiu mais do que o esperado no mês passado, atingindo 10,7% e mais de cinco vezes a meta do Banco Central Europeu. Assim o BCE deve avançar com mais aumentos das taxas de juros.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) Composto final da S&P Global para a zona do euro caiu para uma mínima de 23 meses de 47,3 em outubro, contra 48,1 de setembro. O resultado ficou um pouco acima da preliminar de 47,1.

Leitura abaixo de 50 indica contração.

"Após um terceiro trimestre fraco de dados do PMI e do PIB oficial, os últimos resultados da pesquisa para o início do quarto trimestre sugerem que a economia da zona do euro está agora caminhando para uma recessão", disse Joe Hayes, economista sênior da S&P Global Market Intelligence.

"A inflação elevada está afetando a demanda e prejudicando a confiança das empresas. Os receios de que a crise energética possa se intensificar durante o período de inverno também estão alimentando a incerteza e pesando na tomada de decisões."

O subíndice de novos negócios caiu para 45,0, de 46,3 em setembro, na leitura mais baixa desde novembro de 2020.

O PMI do setor de serviços caiu para uma mínima de 20 meses de 48,6, contra 48,8 no mês anterior, mas ainda acima da preliminar de 48,2.

(Reportagem de Jonathan Cable)