Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,24
    +0,02 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.814,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    16.979,93
    -190,95 (-1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,74
    -3,41 (-0,84%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    27.796,02
    -430,06 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    12.017,00
    -45,75 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4602
    -0,0052 (-0,10%)
     

Contração da zona do euro perde força em novembro mas demanda ainda cai, mostra PMI

Vista do distrito de La Defense, perto de Paris

(Reuters) - A contração da atividade empresarial da zona do euro diminuiu ligeiramente em novembro, mas a demanda geral continuou a diminuir à medida que os consumidores cortaram gastos em meio a uma crise de custo de vida, mostrou uma pesquisa nesta quarta-feira.

Crescem as evidências de que o bloco está entrando em recessão e, em pesquisa da Reuters divulgada na terça-feira, economisas deram uma chance de 78% de uma acontecer dentro de um ano, com a expectativa de que o PIB caia 0,4% neste trimestre e no próximo.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) Composto preliminar da S&P Global, visto como um bom indicador da saúde econômica geral, subiu de 47,3 em outubro para 47,8, ante expectativas de queda para 47,0 em pesquisa da Reuters.

Entretanto, novembro é o quinto mês em que o índice fica abaixo da marca de 50 que separa crescimento e contração.

"Uma nova queda na atividade empresaial em novembro aumenta as chances de a economia da zona do euro cair em recessão", disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios da S&P Global Market Intelligence.

"Entretanto, os dados do PMI de novembro também trazem algumas boas notícias. Em particular, a taxa geral de declínio diminuiu em comparação com outubro."

A atividade no setor de serviços, dominante no bloco, diminuiu novamente, com o índice igualando a mínimo de 20 meses de outubro de 48,6. Pesquisa da Reuters apontava leitura de 48,0.

A atividade manufatureira, particularmente atingida pelo aumento dos preços da energia e pela interrupção das cadeias de abastecimento, também diminuiu, mas a um ritmo mais lento. O índice subiu de 46,4 para 47,3, acima da estimativa de 46,0.

(Reportagem de Jonathan Cable)