Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.798,90
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    37.122,86
    -838,28 (-2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    877,06
    -38,43 (-4,20%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.987,07
    +153,78 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.104,50
    -13,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1111
    +0,0008 (+0,01%)
     

Contas públicas têm rombo de R$ 126,6 bilhões em maio, pior do que o total de 2019

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A crise do novo coronavírus levou o governo federal a registrar um rombo de R$ 126,6 bilhões nas contas públicas em maio. O resultado, divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Tesouro Nacional, é o pior para todos os meses da série histórica iniciada em 1997. O déficit primário do mês passado supera com folga o dado do ano completo de 2019, que ficou negativo em R$ 95 bilhões. A pandemia do coronavírus levou o governo a abandonar temporariamente a agenda de ajuste fiscal e a limitação de gastos públicos. Desde o início da crise, em março, foram liberados mais de R$ 400 bilhões para ações de enfrentamento na saúde, programas assistenciais e socorro a empresas e governos regionais. Entre os gastos mais expressivos está o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais, que já supera R$ 150 bilhões. Prorrogação da assistência estudada pelo governo pode elevar essa despesa em mais R$ 100 bilhões. A assistência paga pelo governo a trabalhadores com salário e jornada cortados, por sua vez, tem um custo estimado em R$ 51 bilhões. Ao mesmo tempo, medidas restritivas nos estados, com fechamento de comércios e outras empresas, provocaram quedas na arrecadação de tributos. Nessa conta, medidas que adiaram a cobrança de impostos e contribuições para aliviar o caixa de empresas também contribuíram para o resultado fiscal negativo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos