Mercado abrirá em 7 h 43 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,39
    +0,41 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.848,60
    +8,40 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    34.999,44
    -894,82 (-2,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,87
    -18,32 (-2,56%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.718,86
    +76,58 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    28.512,97
    -120,49 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    13.030,00
    +44,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5068
    +0,0082 (+0,13%)
     

Contas públicas fecham novembro com saldo negativo de R$ 18,2 bilhões

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil
·2 minuto de leitura

O Governo Central – Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social – registrou déficit primário de R$ 18,241 bilhões, em novembro, informou hoje (29) a Secretaria do Tesouro Nacional. O resultado apresentou crescimento real (descontada a inflação) de 5,5%, em relação a novembro de 2019. É o maior saldo negativo para o mês desde novembro de 2016, quando ficou em R$ 44,324 bilhões.

O déficit primário é o saldo negativo nas contas do governo, com despesas maiores que as receitas, sem considerar nesse cálculo os gastos com juros da dívida pública.

Apesar do crescimento do déficit, o resultado de novembro foi melhor que a expectativa do mercado financeiro (pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Economia), que indicava um déficit de R$ 55,1 bilhões.

“Assim como nos meses anteriores, o déficit observado em novembro é influenciado pelo aumento das despesas do Poder Executivo decorrentes de medidas de combate à crise da covid-19”, diz o relatório do Tesouro Nacional.

No entanto, acrescenta o Tesouro, o recolhimento em novembro de parte das receitas adiadas no início da pandemia resultou em impacto positivo no fluxo de arrecadação. A receita total de novembro de 2020 (R$ 139,760 bilhões) cresceu 5,4% em termos reais quando comparada ao mesmo mês de 2019. A despesa total chegou a R$ 131,381 bilhões, com aumento de 6,4%.

Resultado acumulado

De janeiro a novembro, o déficit primário ficou em R$ 699,105 bilhões, contra R$ 80,428 bilhões, em igual período de 2019.

Até o mês passado, os gastos com as medidas de combate à crise causada pela pandemia de covid-19 totalizaram R$ 487,4 bilhões.

Em 12 meses até novembro, o déficit primário chegou a R$ 732,9 bilhões, o equivalente a 9,6% do Produto Interno Bruto (PIB). A atual projeção do governo para o déficit primário é de R$ 831,8 bilhões, cerca de 11,5% do PIB, neste ano.