Mercado fechará em 6 h 8 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,80
    +1,79 (+2,49%)
     
  • OURO

    1.797,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    16.842,63
    +33,35 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,92
    -6,11 (-1,52%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.485,11
    -4,08 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.546,00
    +36,50 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5044
    +0,0380 (+0,70%)
     

Contas de luz devem ficar 21% mais caras em 2022

Conta de luz
Informações foram obtidas por meio de documentos internos da Aneel

(Getty Images)

  • Preço da conta de luz deve aumentar mais de 21% em 2022

  • A alta é três vezes maior do que a de 2021, quando o consumidor pagou 7,04% a mais pela energia elétrica

  • Aumento deve ajudar a cobrir o rombo de R$ 13 bilhões

Documentos internos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), emitidos na sexta-feira (5), apontam que o preço da conta de luz deve subir mais de 21% em 2022. O reajuste praticamente triplica a alta de 2021, que chegou a 7,04%. Em 2020, o aumento foi de 3,25%.

Leia também:

"Nossas estimativas apontam para um cenário de impacto tarifário médio em 2022 da ordem de 21,04%", diz o texto, obtido pelo jornal Estadão.

Rombo de R$ 13 bilhões

Desde setembro, os consumidores estão pagando a pesada bandeira tarifária chamada “Escassez Hídrica” por conta da falta de chuvas e do esvaziamento dos principais reservatórios do país.

Entretanto, as tarifas não foram suficientes para cobrir um rombo estimado em R$ 13 bilhões, gerado a partir do acionamento de diversas usinas elétricas e das contratações de energia feitas pelo governo. A medida, que criou uma outra fatura estimada em mais de R$ 9 bilhões, foi tomada como forma de evitar o racionamento e garantir uma “energia reserva”.

Aumento pode prejudicar eleições

O governo pretende evitar o reajuste de 21% nas contas de luz em 2022, quando Jair Bolsonaro estará em plena campanha pela reeleição.

Para reduzir o impacto desse tarifaço estimado pelos técnicos da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), o Ministério de Minas e Energia tenta acelerar a privatização da Eletrobras e convencer bancos privados a financiar o aumento dos custos de geração devido à escassez hídrica que vem pressionando a inflação.