Mercado abrirá em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,99
    +0,98 (+1,21%)
     
  • OURO

    1.927,80
    -2,20 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    22.981,21
    -10,27 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,81
    -6,37 (-1,21%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.764,88
    +3,77 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.045,25
    -61,50 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5187
    -0,0010 (-0,02%)
     

Conta de luz do Brasil é uma das mais caras do mundo

Male hands compare an incandescent light bulb and a LED lamp
Grande parte do que é pago vai para impostos e tributos (Getty Image)
  • O país tem uma das contas de luz mais caras do mundo, ficando atrás apenas da Colômbia

  • Impostos e tributos encarecem ainda mais a produção de energia

  • Apenas 53,5% do valor pago é usado para a geração, transmissão e distribuição da energia elétrica

Não é impressão sua, a conta de luz realmente atingiu níveis alarmantes e passou a consumir grande parte da renda das famílias no país. Todos os brasileiros sentem no bolso as consequências do aumento, mas as camadas com menores salários são as que mais sofrem.

Dados divulgados pela Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia (Abrace) indicam que em quatro anos as taxas aumentaram em 47%. Ao todo, são pagos 12 bilhões por mês apenas em tributos e subsídios na conta de luz.

No valor total, o custo da energia no Brasil é considerado o segundo maior do mundo, ficando apenas atrás da Colômbia. Até o final do ano, os brasileiros já terão gasto R$ 144,9 bilhões apenas em impostos na conta de luz. De acordo com o G1, o valor é maior do que o destinado ao Ministério da Educação.

Nem tudo o que pagamos é usado na geração de energia

O dinheiro pago pelo consumidor garante recursos para diversos setores e fundos. Nesse sistema, alguns pontos têm nenhuma relação com a área de energia elétrica.

De acordo com a Abrace, apenas 53,5% do valor pago é usado para a geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. Todo o resto é composto por taxas que bancam políticas públicas, subsídios, impostos e ineficiências do setor.

Uma parte da verba é destinada parra o segmentos rural e de irrigação, além de água, esgoto e saneamento. Na divisão dos gastos, a maior despesa é com a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Em 2022, esse setor deve receber R$ 28,8 bilhões.