Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    121.902,89
    -612,85 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.969,21
    +99,73 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,40
    -0,86 (-1,21%)
     
  • OURO

    1.812,10
    -10,10 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    38.068,04
    -1.666,50 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,19
    -13,25 (-1,40%)
     
  • S&P500

    4.384,66
    -2,50 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    34.894,96
    +56,80 (+0,16%)
     
  • FTSE

    7.113,54
    +31,82 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.884,00
    -68,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2165
    +0,0724 (+1,18%)
     

Conta de luz deve ficar mais cara; inadimplentes podem se beneficiar

·3 minuto de leitura
Índice usado pela Aneel nas contas vai mudar para quem tiver em atraso
Índice usado pela Aneel nas contas vai mudar para quem tiver em atraso
  • Aneel vai anunciar sobre bandeira tarifária nesta sexta

  • Atualmente estamos na amarela; hidrelétricas estão com níveis baixos

  • IPCA será utilizado nas contas dos Inadimplentes

Um dos itens que mais pesam no bolso do brasileiro é a conta de luz. Em maio, a tendência é que ela fique mais cara. Clientes que estão com seus débitos em atraso, porém, podem ter uma cobrança menos em junho.

Em razão do baixo nível dos reservatórios hidrelétricos, a Agência Nacional de Energia Elétrica pode acionar a bandeira vermelha 1 já no próximo mês. O anúncio será feito nesta sexta-feira

Essa medida tem um custo de R$ 4,169 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) consumidos. Há quem acredite que a bandeira em maio possa continuar no patamar amarelo (com cobrança adicional de R$ 1,343 a cada 100 kWh). Mesmo assim, por causa de todas as condições do país, a bandeira vermelha deve ser adotada nos próximos meses.

Sistema de bandeiras

Criado em 2015, o sistema de bandeiras tarifárias das contas de luz sinaliza para os consumidores que os reservatórios hidrelétricos estão em baixa e que estão sendo utilizadas as usinas termelétricas, que produzem energia mais cara e são mais poluentes. Só lembrando que as hidrelétricas são responsáveis por gerar 65% da eletricidade do Brasil.

No ano passado, entre maio e novembro, a Aneel suspendeu o gatilho das das bandeiras tarifárias, deixando as contas sem essas taxas como uma forma de aliviar os gastos dos consumidores em meio à pandemia.

No fim de novembro, por causa da piora nas condições dos reservatórios pela falta de chuvas, a Aneel voltou a acionar o sistema de bandeiras, no caso a amarela. 

Assim, o Brasil entre janeiro e março deste ano, já estava na bandeira tarifária amarela, período em que costuma estar na verde já que os reservatórios nessa época normalmente estão com sua capacidade máxima. Alguns especialistas apontam que no início de maio, o começo do período seco, o Brasil pode entrar na bandeira vermelha tarifária, antes do esperado.

Conta mais "suave" para os inadimplentes

O índice utilizado nas contas de luz é o Índice Geral de Preços - Mercado ( IGP-M ), conhecido como a inflação do aluguel.

Ele subiu 1,51% em relação a março , informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) O resultado mostra que o indicador desacelerou em relação ao mês anterior, quando registrou alta de 2,94%, mas avançou em 12 meses 32,02% .

O IGP-M vem subindo muito desde o ano passado. Diante desse cenário, a Agência Nacional de Energia Elétrica decidiu que os clientes que pagarem contas de luz com atraso terão o valor do débito corrigido pelo IPCA que mede a inflação oficial do país, e não mais pelo IGP-M. A decisão vale a partir de junho.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação oficial, ficou em 0,6% em abril, 0,33 ponto percentual abaixo do índice de março: 0,93%. 

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,82% e, em 12 meses, de 6,17%, acima dos 5,52% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores

O IPCA-15 abrange as famílias com rendimentos de um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, residentes em 11 áreas urbanas: regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e do município de Goiânia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos