Mercado abrirá em 3 h 35 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,42
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.755,10
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    43.306,22
    -856,70 (-1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.071,10
    -37,82 (-3,41%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.063,97
    -14,38 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.239,50
    -64,00 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2224
    -0,0026 (-0,04%)
     

Conta Black: fintech usa desbancarizados para empoderamento social

Conta Black mira população desbancarizada no Brasil (Foto: Divulgação)
Conta Black mira população desbancarizada no Brasil (Foto: Divulgação)

Por Matheus Mans

No Brasil, são mais de 45 milhões de pessoas sem vínculos com instituições financeiras: os chamados “desbancarizados”. Mesmo sem acesso a crédito e serviços bancários, essa parcela da população movimenta mais de R$ 871 bilhões por ano, segundo o Instituto Locomotiva, e estão chamando atenção de startups do setor como a fintech Conta Black.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Fundada pelo publicitário e especialista em finanças Sérgio All, a startup hoje conta com 3 mil clientes e pretende ter 10 mil contas ativas até o final do ano. “Se os bancos não querem esse público sem acesso aos serviços financeiros, nós queremos”, afirma o fundador. “Há 20 anos, sabia o que era ter nome limpo, mas crédito negado. Fiz esse ‘não’ virar negócio”.

Leia também

Atualmente, quem busca a startup pode abrir uma conta para fazer transferências, cobranças e pagamentos. Além de oferecer cartão de crédito, duas linhas de investimentos e contas físicas e jurídicas. Até o final do, a Conta Black também pretende ter empréstimos e ações via WhatsApp, como abrir conta pelo app e realizar transferências, por exemplo.

“Queremos falar a linguagem desse público, aproximando o sistema financeiro de suas realidades”, disse o empreendedor. Além disso, ele destaca a empresa como um possível agente de empoderamento social e ressalta que, dos 45 milhões de desbancarizados no País, 86% são das classe C, D e E, 60% são mulheres e 70% são negros ou pardos.

“Junto disso tudo que estamos oferecendo, também queremos levar educação financeira para nossos clientes. Queremos que eles entendam o crédito, as nossas tarifas”, disse o empreendedor, que hoje cobra valores como R$ 5 por boleto compensado e R$ 10 por TED. “A ideia é que essas pessoas se sintam empoderadas perante suas finanças e seu crédito”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos