Mercado abrirá em 44 mins
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,89
    -0,34 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.773,70
    -5,10 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    43.516,29
    +1.600,30 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.089,72
    +49,24 (+4,73%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.077,50
    -5,87 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.236,00
    +72,50 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1757
    -0,0331 (-0,53%)
     

Consumo de vídeo faz redes sociais crescerem na pandemia, revela estudo

·3 minuto de leitura

Em um cenário onde o isolamento social ainda é recomendado, as redes sociais desfrutam de um gigantesco crescimento nos últimos 18 meses, impulsionadas principalmente pelas transmissões ao vivo e pela explosão da economia criativa. Um estudo realizado pela empresa App Annie revelou que essas duas vertentes foram o estopim na expansão das plataformas sociais em todo o planeta e ainda continuam a afetar o cenário.

Somente em 2021, os consumidores já baixaram mais de 9,2 bilhões de aplicativos e devem gastar 740 bilhões de horas navegando por eles, das quais 548 bilhões devem ser focadas em lives. A pesquisa The Evolution of Social Media Report foi lançada na segunda-feira (6) e considerou o Instagram, o TikTok e a Twitch como os líderes dessa "revolução".

Conforme o relatório, caso a tendência se mantenha até o fim do ano, é bem provável que sejam ultrapassadas as 800 bilhões de horas conectadas, marco alcançado em 2020. A Twitch tem um grande impacto nestes dados, com mais de 30 milhões de usuários diários e foco em games — embora a plataforma também tenha sucesso em outros nichos como IRL (In real life), música e as polêmicas transmissões em banheiras, piscinas e praias.

O relatório de App Annie reflete como alguns criadores estão mais focados a produzir conteúdo original desde quando aplicativos começaram a oferecer programas de monetização e incentivos financeiros. O TikTok e o Kwai são expoentes dessa prática aqui no Brasil, mas o Facebook também deve pagar R$ 5,1 bilhões aos influenciadores digitais até 2022, assim como o YouTube, cuja renda mensal pode chegar a R$ 50 mil para quem se dedicar ao Shorts — a sua ferramenta de vídeos curtos.

O Twitter é outra plataforma que aposta na remuneração de pessoas para impulsionar o crescimento. Além de lançar o Spaces, voltado para conversas por voz, a rede social adicionou o Super Follows, que permite cobrar uma taxa de assinatura mensal por conteúdo extra, e o Tip Jar, uma espécie de gorjeta que se envia a um criador de conteúdo como forma de agradecimento.

Do texto para o vídeo

A pesquisa do App Annie revela uma tendência que a maioria dos produtores de conteúdo digital já percebeu: a migração do texto e foto para os vídeos e o streaming. O objetivo é manter os usuários presos nas plataformas por mais tempo, o que gera retornos financeiros com a exibição de propagandas direcionadas. O próprio Instagram, criador do conceito de rede social fotográfica, já mudou seu enfoque para os vídeos com os Stories, o IGTV e, mais recentemente, o Reels.

O relatório aponta um gasto de R$ 34,4 bilhões por meio dos apps sociais só em 2021: somente americanos e japoneses, os mais "mãos abertas" no ambiente digital, torraram mais R$ 7,6 bilhões no primeiro semestre deste ano. Uma projeção feita pela companhia revelou que esse valor pode subir para R$ 87,7 bilhões até 2025, o que revela o poder de expansão do mercado.

Domínio do TikTok

A pesquisa reforça, ainda, a posição de domínio do TikTok no mundo: trata-se do aplicativo social e de entretenimento mais baixado pelo segundo ano consecutivo. O Instagram, que começou a pedir a verificação de datas de nascimento, já superou a empresa-mãe (Facebook) e fica na segunda posição do ranking global.

Completam o TOP 10 aplicativos como WhatsApp, Telegram, Snapchat, Messenger, Capcut, MX TakaTak e PicsArt — esses três últimos são editores de vídeo e passaram outros programas populares como Netflix e Pinterest. Vale lembrar que esses dados não consideram os downloads do mercado chinês, cujos os apps exclusivos e populares por lá podem fazer frente às alternativas ocidentais.

O relatório completo do App Annie pode ser baixado no blog da companhia, mediante cadastro prévio.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos