Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.770,17
    -866,22 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.048,22
    -447,19 (-0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.868,90
    +28,70 (+1,56%)
     
  • BTC-USD

    35.091,55
    +691,58 (+2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,29
    -5,32 (-0,76%)
     
  • S&P500

    3.853,69
    +54,78 (+1,44%)
     
  • DOW JONES

    31.164,73
    +234,21 (+0,76%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,24 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.315,75
    +330,25 (+2,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0783 (-1,20%)
     

Consumo tende a priorizar o que é mais essencial, simples e seguro

RENAN MARRA
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A pandemia do coronavírus e a consequente perda de entes queridos e do convívio social despertaram reflexões sobre o que de fato é importante na vida das pessoas e nos negócios, determinando mudanças comportamentais e novas tendências de consumo para 2021. Relatório do escritório de pesquisa de tendências Observatório de Sinais aponta um momento "neoessencialista", em que a busca pela essência das coisas vai se traduzir como desejo de simplificação e reducionismo. "As pessoas estão procurando mais leveza e praticidade. Isso acontece em função de um quadro pesado e negativo que vivemos por causa da pandemia, com a questão da morte muito próxima", afirma Dario Caldas, sociólogo e diretor do Observatório de Sinais. Restrito a assinantes, o relatório aponta que a tendência "neoessencialista" se aproxima esteticamente de um despojamento voluntário, presente no estilo minimalista. No mercado, deve se traduzir em produtos que tenham apenas elementos essenciais, mas com grande atenção à funcionalidade. O célebre "menos é mais" fortalece o consumo sustentável, outra tendência acelerada nos últimos meses. Segundo Caldas, aumenta a percepção, especialmente entre jovens, do atrelamento da pandemia ao desequilíbrio do clima e do planeta. "Isso significa que os consumidores tendem a fazer uma associação natural entre a saúde do corpo individual e a saúde planetária, coletiva", indica o relatório. Nesse contexto, conceitos como a economia circular (reutilização de materiais), reducionismo, desperdício zero e upcycling (técnica que reaproveita itens descartados e os transforma em novos) saem mais fortes da pandemia e se confirmam como referências sustentáveis. Como consequência do impacto causado pelo medo da pandemia, os consumidores devem continuar buscando produtos que remetam a condições de segurança. Segundo Caldas, as marcas que posicionarem suas mercadorias, serviços e discursos na "tendência safe" terão mais chances de conquistar o consumidor. Objetos com formatos que inspiram a sensação de proteção, como a poltrona Capsule, da designer ucraniana Kateryna Sokolova, voltam à cena. O campo do design respondeu mais rapidamente a essa tendência. A estilista Marine Serre, por exemplo, já explora no design das roupas o imaginário de calamidade sanitária e ambiental. Antes mesmo da pandemia, a francesa havia criado uma coleção incluindo máscaras protetoras. Em julho deste ano, uma de suas peças apareceu no álbum visual "Black Is King", da cantora Beyoncé, e Serre ganhou projeção mundial. Em ano turbulento, outra tendência no design impulsionada é a do escapismo, com a fuga da realidade ou da rotina. A marca Jacquemus, por exemplo, representou essa tendência em desfile realizado em meio a um trigal. Na passarela montada em um campo dourado, os modelos exibiram roupas com cortes despojados e tons em harmonia com o ambiente, com o objetivo de evocar leveza. Nos negócios, vencida a pandemia, é projetado crescimento do mercado de experiências, que inclui turismo de aventura, saltos de paraquedas e passeios de balão. Segundo Caldas, o isolamento deve acelerar os planos para realização de desejos. Nos serviços, os consumidores estarão mais simpáticos a adesão aos pequenos rituais, que vão do momento do cafezinho na loja à experimentação de produtos. São ações que podem trazer prazer aos consumidores, considerando o período de estresse e as muitas horas conectados à internet na pandemia. "Como consequência, isso aumentará o engajamento dos negócios", diz Caldas. Outra tendência identificada apela à sedução. O estudo lembra a diminuição do apelo sexual em tempos de guerra ou pandemia e sugere que grifes de confecções, bolsas e calçados apostem em elementos que chamem atenção, como brilho e decotes. No varejo, os ambientes físicos incorporarão elementos digitais. Na tendência "mundo figital", a convergência se dá com inovações tecnológicas, entre elas cobranças automáticas por aplicativo, lockers para retirada de produtos comprados online e provadores inteligentes, com telas de toque em que os clientes podem consultar informações de peças, cores e tamanhos. Na internet, a expectativa é a de que os cursos de gastronomia que ajudem a driblar a crise econômica e a inflação nos preços dos alimentos sejam os mais procurados. Para Guilherme Dietze, assessor econômico da FecomercioSP, os consumidores deverão buscar cursos online para tornar a vida mais barata e agradável. Os preços dos alimentos sofreram uma alta de 2,54% no mês passado, segundo o IBGE. O aumento acumulado de janeiro a novembro foi de 12,14% --o maior para um ano desde 2002. Seguindo a mesma lógica, a venda de artigos de beleza e bem-estar deve aumentar, uma vez que os consumidores deverão tentar resolver em casa o que hoje fazem no salão de cabeleireiro ou nas academias de ginástica. Wilson Poit, diretor-superintendente do Sebrae-SP, aposta no crescimento das microfranquias, assim classificadas quando exigem um investimento inicial de até R$ 90 mil. Para ampliar o número de franqueados, grandes marcas devem aumentar o investimento em quiosques ou espaços dentro de outras lojas, no formato "store in store". Stefano Arpassy, consultor do birô de tendências WGSN, acredita que a pandemia deve valorizar os negócios de bairro, já que o período de isolamento fez os consumidores conhecerem melhor os estabelecimentos do entorno. "As pessoas querem resolver os seus problemas de forma rápida, saber para quem destinam o seu dinheiro e qual é a origem do produto. É uma junção de comodidade com olhar de responsabilidade."