Mercado fechará em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    111.692,64
    +783,03 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.447,63
    +273,57 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,36
    +2,16 (+2,76%)
     
  • OURO

    1.766,40
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    16.860,96
    +451,97 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,56
    -0,13 (-0,03%)
     
  • S&P500

    3.954,90
    -2,73 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.694,47
    -158,06 (-0,47%)
     
  • FTSE

    7.587,51
    +75,51 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.568,00
    +43,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4222
    -0,0344 (-0,63%)
     

Consumo de energia volta a crescer em outubro com dias mais quentes, diz CCEE

Linha de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - O consumo de energia elétrica no Brasil avançou 2,5% em outubro ante igual período de 2021, retomando uma tendência de alta devido ao aumento da temperatura média em boa parte dos Estados, segundo dados preliminares da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Chuvas e temperaturas abaixo da média histórica vinham impactando o consumo nacional de energia em setembro e na primeira quinzena do mês.

A demanda do mercado regulado de energia foi destaque em outubro, com crescimento de 1,3% na comparação anual, o maior desde janeiro.

O segmento, em que residências e pequenas empresas contratam seu fornecimento das distribuidoras, é altamente influenciado por fatores meteorológicos. O uso mais intenso de equipamentos de refrigeração em dias mais quentes ajuda a explicar o aumento do consumo nas regiões Norte, Sudeste e em parte do Nordeste, disse a CCEE.

Já no mercado livre, no qual grandes grupos do comércio, varejo e da indústria negociam energia diretamente com geradoras ou comercializadoras, o consumo subiu 4,8% ante outubro de 2021.

A CCEE notou ainda que, desconsiderando migrações de consumidores do mercado regulado para o livre, o crescimento do consumo do ambiente livre teria sido menor, de 2,2%, enquanto o regulado avançaria 2,7%.

Já excluindo dos dados o efeito da micro e minigeração distribuída --painéis solares fotovoltaicos para geração própria instalados em telhados, fachadas e terrenos--, a alta do consumo no segmento cativo seria maior, de 4,0%.

(Por Letícia Fucuchima)