Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.996,05
    +921,15 (+1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Consumo de energia no país cresce em março apesar de queda em serviços por Covid

·1 minuto de leitura
Linhas de transmissão de energia elétrica em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O consumo de energia elétrica no Brasil avançou 1,5% na primeira quinzena de março ante o mesmo período de 2020, alcançando 65.689 megawatts (MW) médios, apesar de forte queda na demanda dos setores de serviços e comércio, impactados por medidas pelo país que visam frear o avanço do coronavírus, apontou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A CCEE alertou que os dados ainda são preliminares, mas já mostram que, dos 15 ramos de atividades monitorados, "houve queda de consumo naqueles pressionados pelo recrudescimento das medidas de combate à Covid-19".

Os setores mais afetados foram os de serviços, com queda de 14,6%, e bebidas, com recuo de 7,6%. O comércio registrou queda de 7%.

Os segmentos que apresentaram maiores taxas de crescimento foram quase todos eletrointensivos: metalurgia e produtos de metal (7,9%), extração de minerais metálicos (7,8%), minerais não-metálicos (3,5%) e químicos (3,1%).

Na primeira parte de março, o consumo no ambiente livre (ACL) registrou crescimento de 6,3%, enquanto no regulado (ACR) caiu 0,7% na comparação anual.

Se desconsideradas as migrações entre ambientes, ou seja, expurgando o efeito das cargas que saíram de um segmento e passaram a atuar no outro, o mercado regulado teve alta de 1,4% e o livre registrou um aumento de 1,5%, explicou a CCEE.

(Por Luciano Costa e Roberto Samora)