Mercado fechará em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    121.045,91
    +1.125,30 (+0,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.239,63
    +304,72 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.831,20
    +15,50 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    58.072,84
    +2.314,02 (+4,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.499,40
    +63,62 (+4,43%)
     
  • S&P500

    4.228,77
    +27,15 (+0,65%)
     
  • DOW JONES

    34.748,92
    +200,39 (+0,58%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.690,75
    +93,00 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3506
    -0,0160 (-0,25%)
     

Consumo de energia no Brasil vê impacto limitado por pandemia e cresce em março

Parque de energia eólica

SÃO PAULO (Reuters) - Apesar do agravamento da pandemia no Brasil, o consumo de energia se manteve em alta, com "impacto limitado" até o momento mesmo após novas restrições adotadas por governos e prefeituras para conter a disseminação do coronavírus, disse a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta quinta-feira.

A demanda por eletricidade em março, de 66.650 megawatts médios, foi 5,5% superior à registrada no mesmo período do ano passado, com avanço na comparação anual registrado em 19 Estados e no Distrito Federal, acrescentou a CCEE.

Esse desempenho foi superior à recuperação registrada no mês passado em outros países duramente atingidos pela Covid-19, como Espanha (+5,1%), Estados Unidos (+0,6%) e Reino Unido (-0,3%), embora Itália e França tenham visto desempenho melhor, com altas de 12,2% e 6,2% no consumo, ainda segundo a instituição.

"Esse incremento, tanto em março quanto na análise dos números referentes ao primeiro trimestre do ano, indica uma curva de aprendizagem em relação à pandemia e mostra que vários setores da economia conseguiram manter sua operação ainda que diante de regras mais rígidas que aquelas adotadas no ano passado", disse em nota o presidente da CCEE, Rui Altieri.

A CCEE apontou saltos de dois dígitos em março no consumo de eletricidade no Rio de Janeiro (+14,1%) e Santa Catarina (+10,5%), além de significativos incrementos no Pará (+9%), São Paulo (+7,9%), Bahia (+7,3%) e outros Estados.

No lado negativo, destacaram-se Rio Grande do Sul, com recuo de 10,9%, e Amazonas, com retração de 9,5%, além de Rondônia (-8%), Acre (-5,9%) e Paraíba (-0,6%).

Se considerado o consumo de energia no primeiro trimestre, houve aumento de 3,7% na comparação com o mesmo período de 2020, segundo os dados da CCEE.

A maior demanda tem sido vista principalmente no chamado mercado livre de energia, onde empresas com maior consumo negociam diretamente contratos de suprimento com geradores e comercializadoras.

A CCEE disse que o consumo saltou 11,5% no mercado livre entre janeiro e março, enquanto avançou apenas 0,3% no mercado regulado, onde são atendidos clientes residenciais e pequenas e médias empresas, principalmente.

Entre os setores que atuam no mercado livre elétrico, as maiores altas no consumo no primeiro trimestre foram identificadas por companhias de saneamento (+34,7%) e pelo comércio (+26,7), além da área têxtil (+24,5%) e os segmentos de veículos (+22,1%) e manufatura (+22%).

(Por Luciano Costa)