Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.608,10
    +1.461,24 (+3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Consumo de energia no Brasil sobe 3,4% em agosto com impulso do mercado livre, diz CCEE

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O consumo de energia elétrica no Brasil em agosto avançou 3,4% ante o mesmo período 2020, com impulso do crescimento no mercado livre, informou nesta sexta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Na comparação com o mesmo mês de 2019, antes da pandemia da Covid-19, houve um avanço de 4,4%.

"A avaliação da CCEE é de que a demanda por eletricidade segue em linha com o esperado, com alta menos acentuada do que as registradas no primeiro semestre deste ano", afirmou a câmara em nota.

No mercado livre, ambiente em que grandes indústrias e centros comerciais podem negociar diretamente contratos de suprimento, o consumo foi de 22.139 MW médios, montante 10,1% superior a 2020. Se excluirmos as cargas que entraram para o segmento nos últimos 12 meses, o avanço seria de 5,2%.

Já no mercado regulado, no qual pequenas e médias empresas e consumidores residenciais adquirem eletricidade junto às distribuidoras, a demanda se manteve estável. As desconsiderar o efeito da migração de cargas no último ano, haveria alta de 2,3% na comparação com 2020.

A CCEE também apresentou dados sobre o impacto da geração distribuída para o consumo de energia no mercado regulado.

Segundo a entidade, o mercado regulado teria registrado uma alta de 1% caso não houvesse a instalação de sistemas de micro e mini produção solar fotovoltaica nas residências e pequenos comércios do país. Em relação a 2019, o aumento seria de 0,9% nessas mesmas condições.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos