Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.981,14
    +93,67 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Consumo de energia no ambiente livre salta 13,3% na 1ª quinzena de julho, diz CCEE

·2 minuto de leitura
Linhas de transmissão de energia em Brasília (DF)

SÃO PAULO (Reuters) - O consumo de energia elétrica no mercado livre do Brasil avançou 13,3% na primeira quinzena de julho em comparação com igual período do ano passado, impulsionado pelo ritmo positivo de adesões ao ambiente, enquanto o mercado regulado apurou queda, indicou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta sexta-feira.

No período, foram consumidos 21.405 megawatts médios no mercado livre, no qual indústrias e empresas de grande porte negociam contratos diretamente com geradoras ou comercializadoras. O volume corresponde a 35,9% do total de eletricidade consumida pelo país nos 15 primeiros dias do mês.

"O avanço é resultado da expansão do ambiente de contratação livre de energia, que segue um ritmo contínuo de adesões de novos consumidores", disse em nota o presidente do conselho de administração da CCEE, Rui Altieri, que associa o crescimento à retomada das atividades econômicas.

"Mesmo se desconsiderarmos a entrada de novas cargas nos últimos 12 meses, o segmento teria crescido 8,4%", afirmou ele.

A CCEE destacou altas expressivas nos segmentos de serviços (+35,8%), saneamento (+31%), têxteis (+26,3%), comércio (+19,2%) e veículos (+18,0%).

O avanço do consumo no mercado livre se opõe a uma retração de 1,9% verificada no ambiente regulado, em que pequenas e médias empresas e os consumidores residenciais adquirem energia junto às distribuidoras.

O setor foi responsável por uma demanda de 38.302 megawatts médios na primeira quinzena deste mês. Excluindo a migração de cargas nos últimos 12 meses, a queda do consumo no ambiente regulado seria de 4,1%, segundo a CCEE.

O Brasil tem enfrentado uma grave crise hídrica, que afeta a geração por meio das hidrelétricas --principais fontes de energia do país-- e requer um acionamento maior de usinas térmicas, mais custosas, encarecendo também a conta de luz aos consumidores finais.

Além da imposição da bandeira vermelha patamar 2, de maior custo extra ao consumidor, o governo federal também tem realizado campanhas para consumo consciente de água e luz, embora negue a possibilidade de racionamento.

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos